Categoria: Saúde e Bem-Estar

Capa de 'Verão: redobre os cuidados com o pet'

Verão: redobre os cuidados com o pet

No verão, cães e gatos precisam de atenção redobrada. É importante ficar atento aos riscos de queimadura, desidratação e hipertermia, principalmente nos cães, que possuem dificuldade em regular a temperatura do corpo. Saiba os cuidados especiais que deve ter com o pet nessa estação!

 

Queimaduras

O chão quente é o responsável por causar o problema. As queimaduras acontecem na “almofada” da pata, conhecida como coxim, e aparecem em formato de bolhas, rachaduras ou feridas que causam dor e desconforto no animal. Por ser sensível e estar em constante atrito com o solo, o processo de cicatrização é demorado e pode gerar infecções.

Para evitar esse problema, o ideal é levar o animal para passear nos períodos mais frescos do dia, antes das 10h e depois das 16h, quando o asfalto e as calçadas estão com uma temperatura agradável.

 

Hipertermia

A pelagem densa e a dificuldade em regular a própria temperatura corporal são fatores que prejudicam a adaptação dos cães ao calor excessivo. Eles não suam pela pele e precisam regular a temperatura por meio da respiração.

Os gatos são ainda mais suscetíveis a problemas quando passeiam em dias de calor. O estresse causado por sair de casa faz com que os felinos fiquem ofegantes e tenham mais dificuldade para respirar. Além disso, as altas temperaturas podem causar desidratação e provocar hipertermia.

Os animais obesos são os mais prejudicados com a síndrome, mesmo em temperaturas mais amenas. As raças de cães mais predispostas são Weimaraner, Beagle, Schnauzer, Cocker e Dachshund e as de focinho curto (braquicefálicas) como o Pug, Lhasa-apso, Shih-tzu, Boxer e Buldogue. Entre os felinos, estão o Persa e o Maine-coon.

Os pets com hipertermia apresentam temperaturas acima de 40°C (o normal varia entre 37,5° a 39,3°C), respiração ofegante, coração disparado, mucosa da boca e língua ressecadas e saliva espessa. Eles têm ainda dificuldade para sair do local em que estão deitados e podem desmaiar ou ter convulsões.

É importante não confundir os sintomas da hipertermia com um quadro respiratório. A melhor maneira é observar os sintomas: se o dia estava muito quente, verificar quanto tempo o cão ou gato ficou exposto ao sol ou em locais muito abafados e, principalmente, medir a sua temperatura.

 

Cuidados

- Leve seu pet para passear somente nos períodos frescos do dia, de manhã ou à noite.

- Encha os potes com água fresca pelo menos duas vezes ao dia.

- Jamais deixe seu pet sozinho dentro do carro, mesmo se a janela estiver aberta. O veículo parado no sol pode ficar muito quente rapidamente.

- Nos passeios diários, carregue sempre uma garrafa de água para hidratar o animal.

- Não deixe seu pet preso em locais pequenos, fechados e sem ventilação.

- No verão, é muito comum o aumento da incidência de parasitas como pulgas e carrapatos em cães e gatos. É adequado procurar um médico veterinário de sua confiança para fazer a aplicação dos antiparasitários, dar banho e levar quinzenalmente o pet em um profissional especializado para realizar a tosa.


Happy pet. Happy you.