Categoria: Cães

Capa de 'Qual é o melhor alimento para o meu pet?'

Qual é o melhor alimento para o meu pet?

Uma boa nutrição é fundamental para manutenção da saúde e do bem-estar de um pet. Sabendo disso, muitos tutores se perguntam, “afinal, qual é o melhor alimento que posso oferecer?”.

O artigo a seguir visa ajudar o tutor nesse ponto, desmistificando algumas questões e esclarecendo dúvidas comuns em relação à alimentação de cães e gatos.

Ração ou alimentação caseira?

Alguns tutores consideram a possibilidade de oferecer a chamada “alimentação natural”, que consiste em formular a dieta e preparar os alimentos de forma caseira. A intenção, nesses casos, é oferecer ao pet a opção mais natural possível, tentando aproximar a dieta de seus ancestrais selvagens. Essa ideia seria interessante se não tivesse algumas dificuldades e riscos envolvidos, como:

- Formulação: apenas o Médico Veterinário está habilitado para formular a dieta para cães e gatos. Além disso, será necessário acompanhar de perto o animal para fazer ajustes que podem ser necessários futuramente.

- Armazenamento: a alimentação caseira utiliza ingredientes in natura que acabam ocupando muito espaço. Imagine que para não ter que ir praticamente todo dia a mercados e açougues, será necessário ter um amplo espaço em freezers e refrigeradores para conservar todas as peças de carnes, os vegetais, e demais alimentos necessários para suprir toda a dieta do animal.

- Conservação: conservar o alimento fresco depende da refrigeração constante. Após serem retirados da geladeira devem ser consumidos imediatamente. Vale lembrar que mesmo sob refrigeração é possível o desenvolvimento de bactérias. Por isso, o risco de contaminação do alimento fresco é muito grande, o que pode causar intoxicações alimentares graves. Um detalhe importante é que alguns nutrientes são perdidos quando sofrem congelamento, é o caso da vitamina C, por exemplo.

- Preparação: alguns alimentos precisam de um preparo antes de serem oferecidos. Isso ocorre mais com vegetais que precisam ser cozidos e/ou moídos para correta digestão por carnívoros. Isso demanda tempo e disposição do tutor.

- Equilíbrio dos micronutrientes: a dieta de cães e gatos deve ter quantidades específicas de cada nutriente. E estamos falando de dezenas de micro e macronutrientes. Após décadas de pesquisas científicas realizadas por inúmeros pesquisadores e instituições chegou-se a um consenso na literatura de quais são os valores mínimos e máximos de cada nutriente. Além disso, existe um equilíbrio que deve ser seguido. É muito fácil errar nesse ponto, já que as dosagens são sempre em miligramas, ou até microgramas. Erros nessa parte podem causar desde problemas estéticos como pelagem sem brilho, até profundas deficiências que levam a doenças graves.

- Obstruções: esse risco existe quando o animal tenta comer alimentos duros e que não podem ser digeridos. É o caso de ossos, cascas, frutas com caroços e sementes.

- Toxinas: alguns alimentos têm substâncias tóxicas em sua composição. Alimentos aparentemente inofensivos e muito apreciados por nós podem gerar graves intoxicações em cães e gatos.

O alimento industrializado não tem nenhum dos riscos citados acima, porém é atribuído erroneamente a alguns problemas de saúde. Para elucidar essa questão, primeiro precisamos entender como é feita a ração.

Como é feita a ração

O alimento industrializado completo, chamado popularmente de ração, é feito à partir de ingredientes naturais como matéria-prima, entre eles carnes, vísceras, cereais, legumes, frutas, entre outros.

Esses ingredientes passam por processos físicos (moagem, cocção, desidratação) que visam aumentar a digestibilidade e o aproveitamento do alimento, além de padroniza-lo na apresentação que conhecemos. Isso facilita o armazenamento,  conservação e consequentemente a segurança do alimento. Após esses processos físicos, são adicionados micronutrientes nas doses exatas preconizadas pela literatura científica vigente, entre eles: vitaminas, minerais e ácidos graxos essenciais. Há a adição de outras moléculas que visam melhorar a saúde do animal, como prebióticos, condroprotetores, essências naturais, entre outros.

Apesar de toda segurança das empresas de nutrição animal, dos inúmeros testes clínicos e laboratoriais, da certificação dos órgãos reguladores de cada país, os alimentos industrializados ainda sofrem com alguns mitos, veja a seguir:

Ração causa câncer: esse é o mito mais difundido. Não existe nenhuma relação entre dietas a base de ração e câncer nos pets. A comunidade científica realiza inúmeros estudos sobre câncer todos os anos, e nunca houve algo que pudesse sustentar essa afirmação. Essa afirmação é sustentada pela tese de que, atualmente, existem mais casos de câncer, mas isso ocorre porque os pets têm vivido muito mais tempo e estão em maior número, quando comparado a décadas passadas. Com isso, os casos de câncer se tornam mais numerosos e visíveis, mas não necessariamente mais prevalentes.

Ração é artificial: são utilizadas matérias-primas naturais na formulação da ração. A diferença é que, após passar por processos químicos, o alimento se transforma nos grãos de ração que conhecemos a fim de facilitar a conservação, armazenamento e segurança alimentar do produto. Outro detalhe é que boa parte dos alimentos industrializados não utiliza nenhum ingrediente artificial em sua formulação.

Ração causa alergias: a alergia alimentar ocorre quando algum nutriente é identificado como uma ameaça pelo sistema imune. E não importa se o nutriente está em um alimento fresco ou se é proveniente de algum ingrediente da ração, a alergia vai se manifestar da mesma forma. Vale lembrar que a grande maioria das alergias alimentares em cães e gatos vem das proteínas, moléculas naturais encontradas em diversos alimentos in natura.

Como e quanto oferecer de alimento         

Agora que você já sabe quais são os tipos de alimentação que pode oferecer ao seu pet, vamos explicar como fornecer a dieta.

No caso da alimentação caseira, as quantidades de cada alimento em cada refeição serão fornecidas pelo médico veterinário, o que deve ser seguido rigorosamente. Para as rações, existe no rótulo do produto a quantidade sugerida de acordo com o peso do cão ou do gato.

Para cães o melhor é dividir a quantidade diária em 2 refeições por dia, a fim de evitar a ingestão de uma grande quantidade de alimento de uma vez. Já os cães filhotes precisam de uma frequência maior, sendo necessárias 3 a 4 refeições por dia.

Os gatos, por sua vez, precisam ter o alimento disponível durante todo o dia. Os felinos domésticos têm o hábito de fazer pequenas refeições várias vezes ao dia, e isso deve ser respeitado. Por isso deixe a quantidade recomendada à disposição dele todo o tempo.

Como conservar o alimento

Tão importante quanto a escolha do alimento ideal para seu pet, é o seu armazenamento para que se mantenha nutritivo e seguro. Veja as dicas abaixo:

Para as rações, você tem duas opções:

1 – Manter na embalagem original – o importante é fechar bem após retirar a porção que vai usar, utilize barbantes ou fitas adesivas para isso.

2 – Colocar a ração em um pote hermeticamente fechado. Nos dois casos você deve manter o alimento em local limpo, seco e fresco. Nunca deixe diretamente no sol, nem permita que entre em contato com umidade. Vale lembrar que é essencial guardar a embalagem original até o final do uso para verificação de informações (como fabricação, validade e lote) sempre que necessário.

- No caso da dieta caseira, o alimento fresco deve permanecer no refrigerador (parte de baixo da geladeira) por no máximo 3 dias. Por isso, o ideal é congelar, separando por porções que serão descongeladas quando necessário. Lembrando que o descongelamento deve ser feito no refrigerador, e não em temperatura ambiente, pois assim evita a proliferação de bactérias. O tempo máximo que cada alimento pode ficar congelado varia, e você pode checar isso com o veterinário ou com algum profissional de segurança alimentar.

Agora você já sabe como escolher melhor a alimentação ideal para o seu cão ou gato. O principal é sempre conversar com seu Médico Veterinário de confiança e checar as informações oficiais sobre os alimentos escolhidos. Se tiver dúvidas ou sugestões, deixe um comentário abaixo.