Categoria: Saúde e Bem-Estar

Capa de 'O sódio na alimentação de cães e gatos'

O sódio na alimentação de cães e gatos

Existem muitas dúvidas por parte dos tutores sobre o fornecimento de sódio aos pets. É comum vermos recomendações médicas (em relação à saúde humana) para reduzir o consumo de sódio. Fato é que nós acabamos por ingerir esse elemento em excesso por causa da grande oferta de alimentos onde há a adição de sal, principalmente industrializados, por isso a necessidade de tomarmos cuidado. O sal é um ingrediente riquíssimo em sódio. Para nossos pets já é um pouco diferente, porque geralmente eles ingerem um alimento já pronto e balanceado, onde a quantidade de sódio é controlada. Entretanto, é sempre bom ficar atento e saber um pouco mais sobre essa questão de saúde que também é importante para os animais de estimação. Veja a importância do sódio, quando ele pode fazer mal, e em quais situações pode ser necessária uma redução do consumo deste mineral.

Qual é a função do sódio?

O sódio é um mineral essencial para a vida de todos os seres vivos, um dos principais componentes do fluído extracelular, ou seja, do líquido que está circulando entre as células. A sua ingestão acontece por meio da alimentação, e sua absorção acontece pelo trato gastrointestinal, principalmente no intestino delgado. O mineral é considerado fundamental para o funcionamento do organismo, pois ele participa de diversas funções importantes, como no equilíbrio ácido-básico, equilíbrio hidroeletrolítico, controle da pressão arterial, absorção de nutrientes, transmissões nervosas e contrações musculares.  

Equilíbrio Ácido-Básico: o sódio é um eletrólito essencial para a manutenção da homeostase, condição que o organismo necessita para desenvolver as suas funções corretamente. Uma dessas condições é que o pH esteja em valores próximos à 7,4 (valor fisiológico). O que determina o valor do pH é a concentração de hidrogênio (H+) no organismo. Se estiver abaixo do valor de referência, o pH é considerado ácido e se estiver acima do calor de referência, é considerado básico. É comum que o corpo produza resíduos ácidos, provenientes da alimentação e do metabolismo celular. Dessa forma, para que esse equilíbrio aconteça, diversos órgãos estão envolvidos no controle da quantidade desses resíduos, sendo o rim o principal deles. O rim, além das diversas funções, é capaz de reabsorver substâncias que são importantes para neutralizar o pH, impedindo o desencadeamento de diversos problemas, como a acidez metabólica, por exemplo. O sódio, o bicarbonato e o cloro são as principais substâncias que estão envolvidas em processos químicos para a neutralização.

Equilíbrio Hidroeletrolítico: o sódio está diretamente envolvido no equilíbrio hidroeletrolítico, principalmente na manutenção da concentração ótima e da pressão no líquido que está presente fora das células. Isso acontece por conta de um processo conhecido como osmose. A osmose consiste na atração da água por um meio que apresenta maior concentração de uma substância. No caso do sódio, se ele é excretado, a água é excretada também na tentativa de manter uma concentração adequada entre o sódio e a água. Assim, se o sódio estiver retido no organismo, a água também ficará retida.

Absorção de nutrientes: o sódio possui grande importância no processo de absorção de nutrientes, pois ele participa ativamente do transporte da glicose e dos aminoácidos para dentro das células.

Transmissões nervosas: O impulso nervoso é regulado por meio da presença de sódio e potássio nas membranas (tecido que recobre uma superfície) dos neurônios. Esses minerais são responsáveis por um processo chamado de despolarização. A despolarização consiste na entrada de sódio nas células, após um estímulo, para que elas fiquem com carga positiva. Após ficarem positivas, as células abrem seus canais de potássio (que também é positivo) para que ele saia para o meio externo. Ou seja, as células sofrem uma alteração dos componentes que estão no seu interior por meio da substituição do potássio pelo sódio. Em seguida, as células voltam ao normal, com maior concentração de sódio no meio extracelular e maior concentração de potássio no meio intracelular. Esse processo é o responsável pela condutividade elétrica e pelas transmissões nervosas.

Contrações musculares: O mineral também é fundamental para que haja as contrações musculares, uma vez que para contrair um músculo, é necessário que a informação chegue por meio das transmissões nervosas. Além disso, o mecanismo de contração muscular depende do sódio da mesma maneira que nas transmissões nervosas, onde é necessária a entrada do mineral nas membranas musculares através da bomba de sódio e potássio.

Controle da pressão arterial: A pressão arterial pode aumentar por meio da ingestão de sódio. O mecanismo que explica esse aumento é semelhante ao do equilíbrio hidroeletrolítico. Após ser ingerido, o sódio é absorvido e vai diretamente para a corrente sanguínea. Por possuir afinidade com as moléculas que compõem a água e por aumentar a concentração dessa substância no sangue, a água é atraída para dentro dos vasos, resultando em um aumento da pressão. É válido ressaltar que a dieta está intimamente relacionada com os níveis da pressão arterial. Da mesma maneira que o consumo em excesso pode aumentar a pressão, um consumo mais restrito do mineral pode ser utilizado para diminuir a pressão. Essa estratégia (dieta) normalmente é utilizada em animais hipertensos.

O sódio pode fazer mal?

Assim como outros nutrientes, o sódio pode ser prejudicial a saúde dos animais quando ingerido em excesso. É muito comum que alguns tutores acabem cedendo aos olhares pidões e ofereçam petiscos caseiros ou sobras de comidas destinadas à nós, humanos, para os seus pets. Ainda há casos onde é oferecida apenas comidas caseiras, sem a supervisão de um nutricionista veterinário, e, portanto, sem o correto balanceamento de nutrientes, entre eles o sódio. Conforme explicamos no início, nossa cultura alimentar é de adicionar muito sal nos alimentos. Desse modo, não é possível controlar os níveis do mineral que o animal está consumindo, e isso pode desencadear problemas. Os alimentos balanceados completos para pets, chamados popularmente de rações, são desenvolvidos seguindo rígidos controles que garantem as quantidades corretas de nutrientes.  Para a formulação dos produtos, as indústrias brasileiras seguem as recomendações nutricionais estipuladas pelo NRC (Conselho Nacional de Pesquisa da Academia Nacional de Ciências dos EUA), FEDIAF (Federação Europeia da Indústria de Alimentos para Animais de Estimação) e Abinpet (Associação Brasileiras da Indústria de Produtos para Animais de Estimação). Essas associações estipulam a quantidade ideal de cada nutriente seguindo a literatura científica da área de nutrição. Por isso, é recomendado oferecer apenas dietas balanceadas, desenvolvidas por empresas de nutrição animal, ou por profissionais especializados em nutrição.

O desequilíbrio de sódio pode fazer mal não apenas pelo excesso, mas também pela falta. As razões para uma deficiência ou acúmulo exagerado de sódio no organismo podem não ser alimentares, e são mais raras.  Dentre elas, podemos citar problemas como perda de água recorrente ocasionada por uma enfermidade (diabetes, por exemplo) ou uso incorreto de medicamentos diuréticos, consumo inadequado de água e retenção do sódio (causado por enfermidades ou intoxicação por sal).

Situações em que é necessária redução do sódio

A redução do sódio normalmente é necessária em animais que possuem patologias cardíacas ou renais crônicas. As cardiopatias afetam principalmente os pets de meia idade a mais idosos. Em alguns casos, com o passar do tempo o músculo e as válvulas cardíacas vão perdendo a capacidade de funcionamento, ocasionando a insuficiência cardíaca congestiva. Essas alterações no coração desencadeiam uma série de mudanças sistêmicas, que resultam em edemas (acúmulo de líquido fora das células) e aumento da pressão arterial. Nesses casos, a redução no consumo de sódio é indicada, pois o mineral tem afinidade com a água, e pode contribuir para a retenção de líquidos no corpo caso não esteja com a quantidade controlada, aumentando a pressão arterial e piorando o quadro clínico do animal.  

No caso da doença renal crônica, os rins perdem parte da função, podendo apresentar falhas no momento da excreção e reabsorção de minerais, trazendo um acúmulo de sódio no organismo. Além disso, pacientes com problemas renais crônicos geralmente apresentam também problemas cardíacos. Assim, o sódio para esses animais deve ser controlado.

Produtos sem adição de sódio

Ao navegar pelo nosso blog, você vai perceber que sempre defendemos que a alimentação de cães e gatos deve seguir o comportamento alimentar natural deles. Uma das características dessa alimentação é a não adição de sal nos alimentos, pois o sódio necessário já está naturalmente presente nos ingredientes que compõem a dieta. Conforme salientamos, essa dieta deve ser cuidadosamente balanceada, pois cada ingrediente tem uma quantidade diferente de sódio.

A Farmina, levando em conta todas essas particularidades alimentares dos cães e dos gatos, formulou todos os alimentos das linhas N&D sem a adição de sódio. São diferentes opções, como a N&D Grain Free (livres de grãos), N&D Pumpkin (com abóbora, como uma das fontes de carboidrato), N&D Ancestral Grain (com apenas cereais ancestrais em baixa quantidade) e a N&D Quinoa com alimentos funcionais. As fórmulas da Farmina foram cientificamente desenvolvidas para a natureza de cães e gatos, onde mais de 90% das proteínas são de origem animal, e contam com essências botânicas ricas em antioxidantes, além de entre outros ingredientes saudáveis que você pode conferir no site.

Para escolher a melhor opção para o seu pet, conte com a ajuda do Plano Nutricional Farmina, um sistema online que indica o alimento ideal para as necessidades do seu pet. O Plano Nutricional também indica lojas parceiras que vendem o alimento indicado com um cupom de desconto exclusivo. Você pode solicitar o plano para seu pet clicando aqui.