Categoria: Saúde e Bem-Estar

Capa de 'O papel da dieta nas doenças do trato urinário dos gatos'

O papel da dieta nas doenças do trato urinário dos gatos

Dando sequência ao nosso último artigo, onde falamos sobre a manutenção da saúde do trato urinário dos gatos, o tema de hoje é mais específico, e vamos entender mais detalhadamente como a dieta pode influenciar nesse aspecto.

O chamado trato urinário compreende os órgãos e estruturas responsáveis pelo armazenamento e eliminação da urina. Os gatos tem uma predisposição para ter problemas nesses órgãos, principalmente por causa da formação de cálculos na bexiga (pedras), infecções bacterianas e obstruções uretrais. Sabemos que, dependendo da composição e da qualidade da dieta, podemos predispor o aparecimento de problemas, como também evitá-los.

O pH da urina

Os cálculos urinários, também chamados de urólitos, se formam quando as condições necessárias estiverem presentes, e o pH é uma das principais delas.

O pH é uma escala numérica que mede o grau de acidez, neutralidade ou alcalinidade de uma solução. Quanto menor o valor de pH, mais ácida é a solução. A urina dos felinos tende a ser levemente ácida, pois sua dieta natural rica em proteínas de origem animal e pobre em vegetais gera metabólitos que serão excretados pelos rins e que irão aumentar a acidez da urina. Um dos tipos mais comuns de cálculo urinário, o de estruvita, se forma quando essa acidez não está presente.

A estruvita é o nome dado ao composto de minerais encontrados nesses urólitos, sendo formados pela aglutinação do magnésio, amônio e do fosfato. Quando o pH está menor que aproximadamente 6,5, os minerais não conseguem se ligar e formar a pedra (cálculo).

Outro tipo de urólito comum é o de oxalato de cálcio.  Com a adoção das dietas comerciais que acidificam a urina, o cálculo de estruvita está menos prevalente, porém o de oxalato de cálcio ainda não, já que ele se desenvolve tanto em urina com ph ácido quanto alcalino. Quando a acidificação da urina está superior ao recomendado, pode predispor a formação desse cálculo.

Os minerais

Como percebemos nos parágrafos acima, os cálculos são um dos principais causadores de problemas urinários nos gatos. Esses cálculos são formados majoritariamente de minerais que são excretados na urina e se juntam com outros elementos ali presentes formando cristais. Os cristais atraem mais minerais que irão solidificar e formar a indesejada pedra.

O magnésio é o principal constituinte dos cálculos de estruvita, por isso sua concentração é diminuída na dieta, a fim de reduzir sua excreção e, consequentemente, a formação do cálculo. Com relação ao sódio, o excesso nna dieta pode gerar uma excreção de cálcio na urina, o que leva a uma maior predisposição ao desenvolvimento do cálculo de oxalato de cálcio. O cálcio é um grande constituinte dos cálculos, e por isso, sua ingestão deve ser controlada.

Vale ainda ressaltar que existem outros minerais envolvidos, e que as quantidades de cada um na dieta devem estar sempre corretas para ajudar a prevenir os problemas urinários nos gatos. Qualquer alteração nos minerais, por menor que seja, pode induzir a formação dos cálculos. Por isso, o balanço dos minerais é tão importante.

As proteínas

Como temos dito há algum tempo, a dieta natural dos felinos, carnívoros que são, deve ser rica em proteína de origem animal. Isso não significa que os valores de proteína possam ser muito elevados em relação aos outros macronutrientes. Dietas com excessos podem gerar problemas. No caso das proteínas, seu principal metabólito é a ureia, que serve como alimento das bactérias envolvidas nos casos de infeção urinária. Além disso, a ureia é convertida em amônia pelas bactérias, e a amônia está presente na composição da maior parte dos cálculos.                                 

Antioxidantes naturais

As doenças do trato urinário inferior do felino causam uma grande inflamação nos órgãos e estruturas relacionados. Essa inflamação é responsável pela maioria dos sintomas que os gatos apresentam quando estão acometidos pela doença. A presença de antioxidantes na dieta visa ajudar a reduzir o processo inflamatório, bem como fortalecer o sistema imune.  Os antioxidantes possuem um papel importante na redução da oxidação em tecidos ao neutralizar os radicais livres e, quando incorporado na alimentação, conservam a qualidade do alimento, além de reduzir os riscos de desenvolvimento de patologias por quem os ingere com regularidade.

Os radicais livres são produzidos pelo próprio corpo, porém quando se apresentam em excesso são deletérios à saúde, causando morte precoce das células e prejudicando as funções do organismo. Entre os antioxidantes podemos citar os presentes naturalmente em vegetais, como a quinoa, brócolis, cúrcuma, ervilha, cranberry, entre outros. Além disso, alguns micronutrientes têm papel antioxidante também, como é o caso da vitamina C, da vitamina E e do selênio, por exemplo.

As empresas de nutrição animal levam em consideração as particularidades dos felinos na hora de formular seus alimentos, oferecendo opções que atendam a necessidade dos gatos predispostos a problemas urinários. Procure por alimentos com essas características para oferecer o que há de melhor para o seu bichano.

 

Referências

FORRESTER, S.D.; ROUDEBUSH, P. Evidence-Based Management of Feline Lower Urinary Tract Disease. Veterinary Clinics Small Animal Practice. v. 37, p. 533-558, 2007.

MARKWELL, P. J.; BUFFINGTON, C.T.; SMITH, E. The Effect of Diet on Lower Urinary Tract Diseases in Cats. The Journal of Nutrition. v. 128, n. 12, p.2753S-2757S, 1998.

MONFERDINI, R.P.; OLIVEIRA, J. Nutritional management of dogs and cats with urolithiasis – review. Acta Veterinaria Brasilica, v.3, n.1, p.1-4, 2009.