Categoria: Saúde e Bem-Estar

Capa de 'O comportamento e as doenças de pele em gatos'

O comportamento e as doenças de pele em gatos

Os felinos são animais misteriosos e muito interessantes. Talvez o que mais chame atenção neles é o comportamento enigmático, muito diferente do cão, o que chega a surpreender tutores inexperientes. Entretanto, gatos podem apresentar hábitos anormais, que prejudicam sua qualidade de vida e bem-estar, afetando a saúde diretamente. Entenda como alguns desses comportamentos podem desencadear problemas de pele.
 

As principais causas das doenças de pele  

Antes de falar das doenças de pele causadas por problemas de comportamento, vamos entender o básico sobre os tipos e as causas das doenças de pele mais comuns nos gatos. Elas são chamadas de dermatites (inflamação na pele), e podem ser divididas em infeciosas e alérgicas.

Infecciosas: são as doenças geradas pela infecção de parasitas, bactérias ou fungos. Podem ser parasitas, sendo os mais comuns os ácaros (sarnas), pulgas, carrapatos e piolhos. As bactérias são as causadoras das piodermites, e os fungos as micoses. Particularmente no caso dos gatos, as micoses são mais comuns devido ao hábito de arranhar dos felinos, o que transmite os fungos causadores de tais doenças. Normalmente, quando um parasita se instala na pele causa lesões que começam muito pequenas, mas que evoluem para feridas, predispondo à infecção por bactérias que colonizam a região. A consequência pode ser desde uma leve coceira e vermelhidão, até graves feridas difíceis de curar e que podem evoluir para uma doença sistêmica. Pulgas causam a chamada DAPP (dermatite alérgica à picada de pulgas), que é também uma doença de fundo alérgico.

Alérgicas: a dermatite alérgica ocorre quando algo desencadeia uma reação de defesa do organismo, que se manifesta na pele do animal.  Pode ocorrer pela picada de pulgas, a já citada DAPP, por alimentos e por alérgenos ambientais. Os alérgenos ambientais podem ser naturais, como alimentos e plantas, ou artificiais, como produtos químicos, corantes, etc.

A hipersensibilidade alimentar é outro problema alérgico que se manifesta na pele dos gatos. Ela ocorre quando alguma parte de um determinado alimento (geralmente uma proteína) é identificada como uma ameaça pelo sistema imune. Isso desencadeia uma reação que atinge a pele, podendo apresentar sintomas como intensa coceira, inflamação, pequenas feridas e queda de pelo na região afetada.
 

As causas comportamentais

Entre todos os problemas de pele, os de origem comportamental não são os mais comuns, mas podem ser graves e de difícil tratamento. Gatos que apresentam muito estresse e ansiedade podem desenvolver grandes ferimentos na pele, e consequentemente, na pelagem, resultantes da automutilação. Os gatos são animais muito sensíveis a mudanças no seu cotidiano e se estressam com facilidade, o que desencadeia um comportamento compulsivo. O comportamento compulsivo é característico de ações repetitivas, constantes e sem propósito. Em algum momento, esse comportamento se torna excessivo, podendo causar problemas físicos no animal.

Lamber uma determinada região (geralmente a extremidade das patas), mordiscar, arrancar pelos e até se coçar são exemplos de comportamento compulsivo que, quando repetitivos, causam lesões na pele. É importante lembrar que os sintomas mencionados também podem ser comuns de outros problemas de saúde, portanto, é necessário diagnosticar o transtorno compulsivo com a ajuda de um médico veterinário.

As causas do comportamento compulsivo estão relacionadas ao estresse e ansiedade que o gato pode sentir. A restrição à liberdade, a falta de estímulos naturais e a solidão são os principais fatores desencadeantes. Atualmente, sabemos que a maioria dos gatos domésticos vivem dentro de casa, sem acesso a rua por questões de segurança. Apesar de muito mais seguro, esse tipo de criação pode desencadear comportamentos compulsivos. Para evitar isso, o recomendado é enriquecer o ambiente que o felino vive, e isso é mais simples do que parece.

Enriquecimento ambiental: pode ser definido como uma complexa combinação de estímulos artificiais, naturais e sociais inseridos no ambiente, ou seja, a união de vários fatores que tornará o ambiente mais estimulante e menos previsível para o gato. Geralmente são inseridas prateleiras, tocas, cordas, troncos, jardins, arranhadores, entre outros itens que os gatos interagem instintivamente. Brinquedos com penas, guizos, que fazem ruído e que se movimentam automaticamente também são muito interessantes, já que gatos amam caçar. É importante que o tutor participe das brincadeiras, atiçando a curiosidade do gato desde cedo, evitando que se torne um felino preguiçoso e desinteressado.
 

Ansiedade de separação

Como o nome já diz, o gato se torna ansioso ao sentir que está ‘separado’ de seu tutor, quando é deixado sozinho, ou quando há ruptura da relação (seja por morte ou viagem). Os felinos são menos sociáveis e não necessitam de uma hierarquia, tampouco de um grupo de indivíduos, ao contrário dos cães. Por isso, essa síndrome é bem menos comum nos gatos se compararmos com os cães. Apesar disso, eles também sentem falta do tutor e de companhia, já que aprenderam a se relacionar com a gente após a domesticação e são capazes de criar laços afetivos. Além do afeto, a presença do tutor estimula as brincadeiras que reduzem o tédio.
 

Dermatite por lambedura

A chamada dermatite por lambedura, também conhecida como dermatite psicogênica, é uma síndrome de automutilação. É uma doença desafiante para o tutor e médico veterinário por não ter uma causa física, mas sim comportamental.

A dermatite por lambedura é caracterizada pelo ato de lamber constantemente uma região do corpo, o que provoca feridas na pele. A ferida acaba se tornando crônica, causando coceira e sensibilidade no animal, que acaba por lamber ainda mais como uma tentativa de aliviar o incômodo. Existem muito casos de gatos que praticam o excesso da limpeza dos pelos, lambendo constantemente diferentes regiões do corpo e ingerindo acidentalmente muitos pelos, o que causa problemas digestivos.

Os fatores que podem desencadear a doença são os mesmos apontados nas causas comportamentais. Os felinos são animais territorialistas, e uma modificação em seu território apresenta grande potencial de ansiedade. Outros fatores são cães latindo ou outros ruídos, chegada de uma nova pessoa ou animal, mudança para uma casa nova ou alguma modificação na casa atual.
 

Mas o que fazer para evitar esses comportamentos?

Conforme temos explicado em diversos artigos, gatos, apesar de domesticados são animais com instinto e natureza muito particulares, totalmente diferente de cães e de humanos. Devemos entender as necessidades do pet para tornar a vida dele melhor, sem tentar anular seus instintos, hábitos e comportamentos. Através do enriquecimento ambiental é possível tratar a causa dos comportamentos compulsivos nos felinos. Fale com seu Médico Veterinário de confiança, e não deixe de passar em uma consulta caso lesões de pele apareçam em seu bichano.

Esperamos que essas informações ajudem a evitar as doenças de pele e pelagem, além de comportamentos que afetem o bem-estar do seu pet. Caso tenha dúvidas ou sugestões, escreva nos comentários ou entre em contato através das nossas redes sociais.
 

Referências

ARAÚJO, I, R, M. et al. Dermatite Psicogênica em Felinos. Universidade Federal de Pernambuco. Nov 2014.

FERREIRA, T. C.; SOUSA, C. V. S.; COSTA, P. P. C. Transtorno Obsessivo Compulsivo em cães e gatos. Revista de Ciência Veterinária e Saúde Pública. v. 3, n. 1, p.037-043, 2016

LANDSBERG, G. et al., Problemas comportamentais do cão e do gato, São Paulo: Roca. 2005.

SCOTT, D. W.; MILLER, H. W.; GRIFFIN, C. E. Small Animal Dermatology. 6. ed:
Saunders, p. 1055-1066, 2001