Categoria: Cães

Capa de 'Meu cão é muito ciumento, o que fazer?'

Meu cão é muito ciumento, o que fazer?

Seu cão fica triste quando você não dá toda atenção do mundo a ele? Arranja confusão na presença de outros animais ou pessoas quando chegam perto de você? Já fez “greve de fome” com a chegada de um novo membro da família? Estes e outros comportamentos podem indicar que o seu cachorro sofre por ciúme.

A agressividade e a tristeza são sintomas comuns de cães ciumentos. Isso parte da rotina do pet quando ele sente que corre o risco de perder seu espaço, comida, água, brinquedos ou atenção do tutor. O ciúme faz parte do instinto natural de "defender" o que é dele e trata-se de uma associação negativa que o cachorro faz às situações em que se sente mal, podendo apresentar o comportamento obsessivo e possessivo.

O que é importante saber é que nenhum cachorro fica ciumento de uma hora para outra. Na maioria das vezes, vem apresentando sinais desde a infância e é estimulado a isso após erros de educação do tutor. Afinal, esse comportamento pode ser fofinho no começo, mas acaba virando um grande problema.

Falta de apetite, apatia, vocalização excessiva (latidos) e conduta agressiva com outros cães ou pessoas estão entre os comportamentos que indicam um cachorro ciumento e não sociável. Durante o momento de tensão por ciúmes, o cachorro pode apresentar alguns sinais típicos: se movimentar devagar parecendo que está em câmera lenta, ficar paralisado e com o olhar fixado na pessoa ou animal, ficar com corpo rígido, cauda levantada, rosnar, latir e até morder. Além disso, o cão pode marcar o território por meio da urina e fezes.

Quais são as causas dos ciúmes? Como evitá-las?

A falta de estímulos corretos durante a fase de socialização do animal (quando ainda é filhote) pode ser uma das causas para o desenvolvimento do comportamento ciumento.  Além da falta de socialização adequada nos primeiros meses de vida, o comportamento do tutor pode contribuir muito para a piora da situação do cão ciumento. Por isso, é importante que o tutor se preocupe com a qualidade da interação entre o seu cachorro, com as pessoas e outros animais, pois experiências ruins podem tornar o cão um antissocial. Assim, o cão passa a viver sob um estresse constante, preparado para entrar em combate a qualquer hora.

O ciúme de outros cães é bem comum entre os pets. Para quem tem um cachorro em casa e decide incluir um novo membro (um cachorro, gato ou qualquer pet), pode se deparar com este tipo de situação. O cão ciumento pode associar a chegada do outro com a perda de atenção do dono. Ao dividir a atenção entre os dois, por exemplo, parando de brincar com um para “dar vez” ao outro, sem saber, você poderá gerar ciúmes. Neste caso, o ideal é brincar com os dois ao mesmo tempo, dando atenção igualmente. Você também pode separar um petisco para cada um e recompensar ambos no momento. Com isso, os pets vão relacionar a brincadeira à uma situação positiva.

O ciúme pode ser "despertado" pela chegada do bebê em casa. Quando há a mudança na rotina do pet por conta do nascimento do primeiro filho de um casal, por exemplo, pode ser um problema. O ideal é que não haja mudança no dia a dia do cão, a não ser que seja extremamente necessário.

Se muita coisa vai mudar em casa, é importante que tudo comece antes do nascimento do bebê. Isso fará com que o pet não associe a mudança à chegada do novo membro da família. Assim, a preparação pode ser feita gradualmente e da forma menos traumática possível. Se os pais não querem que o cachorro entre no quarto do recém-nascido, por exemplo, ao menos dois meses antes da chegada do bebê, deve-se manter a porta do quarto fechada. Isso ajudará o cachorro a entender que não tem mais permissão para acessar aquele local, sem associar diretamente à uma mudança de rotina causada pelo neném.

Erros comuns que podem desencadear ciúmes nos cães

Os cães que sentem ciúmes de pessoas também não devem ser estimulados. Muitas vezes, ao perceber que o cão se torna tenso com a aproximação do tutor, as pessoas se afastam. Neste caso, a mensagem para o cachorro é de que ele controla quem pode ou não se aproximar. Para evitar o problema, quando alguém chegar perto de você, continue brincando e dando atenção ao cachorro, para que ele entenda que não perderá tudo por causa da chegada de alguém.

Um erro comum de muitos tutores é dar atenção ao cão quando ele apresenta agressividade. Se o cão rosnar, latir ou mostrar os dentes quando outro pet se aproximar, não dê bronca nem carinho para acalmá-lo. Neste caso, é importante tirar o motivo da disputa de foco. Mude de direção imediatamente, tirando o olhar dele do outro cão e distraindo-o com outro movimento.

Outra situação que deve ser evitada é demonstrar-se tenso para o cão quando ele apresentar comportamento negativo. Com certeza, o pet sente que há uma tensão por parte do tutor e irá responder de maneira ruim.  Muitas vezes, a atitude do cachorro é um reflexo das atitudes do tutor.

Outro erro é pegar o cachorro no colo quando alguém ou um outro animal se aproxima. Ao fazer isso, o dono incentiva ainda mais o comportamento agressivo com qualquer um que chegue perto. O cão entende que é o seu dever proteger o dono nesta situação e percebe também a tensão no ar. Se a pessoa que ele está tentando afastar repreendê-lo ou forçar a interação, fará com que ele associe aquele sentimento a algo negativo, piorando a situação.

O ideal é sempre socializar o animal aos poucos em momentos tranquilos, desviando o olhar do cão (mudando de direção na caminhada) quando ele apresentar agressividade ou ansiedade. É importante que o tutor se imponha como líder durante o passeio, dando as coordenadas ao cão o tempo todo. Assim ele vai se sentir mais seguro.

 Algumas raças e perfis de cães são predispostas ao comportamento ciumento. Cães de pequeno porte, principalmente raças como Pinscher, Dachshund, Chihuahua, Maltês, Yorkshire, por exemplo, tendem a ser mais reativas.

A criação muito humanizada, isto é, oferecendo ao cão coisas que nós humanos gostamos, mas que não são adequadas a eles, é uma das causas do ciúme. Excesso de mimos, tratar igual a uma criança, permitir que o pet faça tudo que ele quer a hora que ele quiser, são exemplos de humanização. 

Dicas para melhorar o comportamento do cão

Além do que já explicamos, separamos algumas dicas que visam melhorar o comportamento do cão, reduzindo as chances de episódios de ciúmes, confira.

Adestramento: o primeiro passo é procurar ajuda de um profissional especializado. A avaliação de um adestrador ou especialista em comportamento animal muitas vezes é necessária, principalmente em casos graves, que prejudicam o convívio. O adestramento é capaz de corrigir os erros comportamentais dos cães, principalmente durante passeios e ao receber visitas.

Socialização adequada: mesmo depois de adulto, o cão pode ser socializado para ter uma vida mais agradável e sentir menos ciúmes. Além disso, serve para tirar o animal "da cola" do tutor o tempo todo. O ideal é ir apresentando outros animais aos poucos – de preferência aqueles que sejam calmos e que combinem com o temperamento do cão que está sendo socializado. Conte com a ajuda de um adestrador capacitado caso você tenha dificuldades em realizar esse treinamento.

Ensinar que a aproximação é boa: para isso, pode-se usar o reforço positivo, recompensando o cachorro quando ele aceita a aproximação de outros animais ou pessoas de forma tranquila. Isso serve para aumentar as chances do comportamento correto voltar a acontecer, uma vez que a consequência foi algo bom para o cachorro.

Colocar o pet no day care: cães precisam de interação com outros cachorros e humanos, pois são animais sociáveis, com instinto de matilha.  Por isso, passar alguns dias da semana em um day care ou creche de cães irá ajudar a tornar o pet mais independente, seguro e social. Além disso, as atividades da creche vão fazer o pet gastar energia e ficar mais calmo.

Qualidade vale mais que quantidade: não é preciso passar o tempo todo ao lado do peludo para proporcionar bem-estar e qualidade de vida. É importante separar um tempo para se dedicar ao pet, com qualidade. Para isso, quando estiver realizando uma brincadeira, fazendo um carinho ou em um passeio com o pet, dedique este momento a ele. Esqueça TV, celular e tudo o mais!

Fazer atividades físicas: leve o pet para passear por 30 minutos antes de trabalhar e 30 minutos quando você chegar em casa. Gastar energia é importante para evitar o estresse. Além disso, o passeio para eles é um momento de descobertas e socialização. Exercícios são fundamentais para saúde física e mental dos cães.

Brincar sempre: as brincadeiras são sempre bem-vindas. Pode ser de jogar bolinhas, ensinar truques, esconder petiscos e tudo mais que o seu peludo gostar.

Enriquecer o ambiente: prepare a casa para ser um ambiente divertido, evitando que o peludo fique grudado em você. Deixe brinquedos interativos e lembre-se de realizar um rodízio entre eles, não deixando tudo ao mesmo tempo para que o pet possa contar sempre com novidades.

Como utilizar petiscos para reforçar o bom comportamento?

Dê atenção ao cão da maneira certa. A técnica do reforço positivo é muito utilizada por adestradores para recompensar um animal sempre que tiver um bom comportamento, a fim de que ele possa repetir diversas vezes, deixando os “maus hábitos” no passado. A recompensa deve ser dada de forma correta, pois estimulará o pet a ter esse comportamento nas mais diversas situações.

O petisco deve ser usado como prêmio, assim como um carinho, um “muito bem” ou algo que realmente tenha algum significado para o cachorro. Já as situações indesejadas, quando o cão não respeitar o comando dado, devem ser ignoradas pelo tutor, uma vez que as broncas não são efetivas para a maioria dos cães.

 Abaixo, algumas situações em que o cão pode ser recompensado com petiscos:

 - A visita chegou e o seu cão não latiu para o interfone ou rosnou para a pessoa;

- Um outro cachorro se aproximou de você e o cão não reagiu mal;

- Fez xixi no lugar certo, sem demarcar território;

- Deixou outro cachorro cheirar ele, sem rosnar ou morder;

- Não implicou com um desconhecido que chegou perto de você na rua.

Cuidados com a dieta

Conforme já explicamos, uma das grandes causas do ciúme dos cães é o tratamento que o tutor dá ao cão, cheio de mimos. O principal deles é a recompensa alimentar, permitindo que o cão coma tudo que ele pedir, oferecendo petiscos inadequados e fora de hora.

O reforço positivo só é indicado nas situações que o cão acertou o que ele deveria fazer. Se dermos comida para o pet toda hora, ele vai entender que aquilo faz parte da rotina dele, e vai exibir comportamentos negativos quando não tiver esse tratamento. Além disso, esse hábito é péssimo para saúde do cão, levando à obesidade e suas consequências.

Para evitar problemas de saúde relacionados à dieta, utilize petiscos com moderação, não ofereça comida caseira e busque por um alimento completo e balanceado de alta qualidade.

Se você tem alguma dificuldade na questão nutricional do seu pet, seja relacionada ao comportamento que ele apresenta para comer, ou na hora de escolher o alimento correto, utilize as orientações dos profissionais da Farmina. Temos um canal direto com a equipe de especialistas em nutrição de cães e gatos. Clique aqui para receber esse Suporte Nutricional exclusivo.