Categoria: Saúde e Bem-Estar

Capa de 'Hábitos que prejudicam a saúde digestiva dos cães e gatos'

Hábitos que prejudicam a saúde digestiva dos cães e gatos

Nesse mês de fevereiro temos falado sobre saúde digestiva. No texto da semana passada, mostramos como manter o sistema digestório de cães e gatos sempre saudável. Na leitura de hoje você vai entender quais são os hábitos que prejudicam a digestão e, consequentemente, a saúde dos nossos pets.
 

Alimentação caseira e seus riscos

Cães e gatos são animais carnívoros, com fisiologia digestiva e metabolismo muito diferente de seres humanos. Existe uma série de particularidades, tanto dos requerimentos nutricionais, como das preferências alimentares. Por essa razão é difícil, trabalhoso e até arriscado alimentá-los à base da comida caseira. Veja quais são os principais riscos:

Desequilíbrios nutricionais: a dieta de cães e gatos deve ter quantidades específicas de cada nutriente. E estamos falando de dezenas de micro e macronutrientes. Após décadas de pesquisas científicas realizadas por inúmeros pesquisadores e instituições chegou-se a um consenso na literatura de quais são os valores mínimos e máximos de cada nutriente. Além disso, existe um equilíbrio que deve ser seguido. Erros nessa parte podem causar desde problemas estéticos como pelagem sem brilho, até profundas deficiências que levam a doenças graves. Alguns micronutrientes quando ingeridos em excesso podem causar lesões de pele, deformidades ósseas irreversíveis, entre outros problemas.

Dificuldades digestivas: muitos alimentos apresentam baixa digestibilidade para cães e gatos. É o caso da maioria dos vegetais, que precisam de um pré-preparo para serem devidamente digeridos e absorvidos. Grãos, folhas e legumes podem fazer parte da alimentação de carnívoros desde que presentes em baixas quantidades e estejam devidamente prontos para o sistema digestório deles. A grande quantidade de fibras que esses alimentos fornecem pode causar má digestão, gases, baixa absorção intestinal, entre outros problemas. Outros alimentos caseiros, mesmo os de origem animal, também causam problemas devido ao tipo de preparo e aos temperos que usamos rotineiramente.

Obstruções: esse risco existe quando o animal tenta comer alimentos duros e que não podem ser digeridos. Oferecer ossos, cascas, frutas com caroços e sementes pode ser extremamente perigoso.

Toxinas: alguns alimentos têm substâncias tóxicas em sua composição. Alimentos aparentemente inofensivos e muito apreciados por nós podem gerar graves intoxicações em cães e gatos. Veja a seguir.
 

Alimentos tóxicos

Chocolate: além de conter grandes quantidades de açúcar, favorecendo o ganho de peso e os problemas dentários, o chocolate contém a teobromina. As sementes do cacau contêm diversas substâncias, entre elas as metilxantinas, compostas por cafeína e teobromina. Estas substâncias são fonte de grande parte dos casos de intoxicação em cães e gatos.

Alho e cebola: dois vegetais tão presentes em nossa alimentação e tão saudáveis para seres humanos, mas que são tóxicos para cães e gatos. Eles contêm compostos tóxicos que danificam as hemácias, já que interferem no funcionamento de enzimas responsáveis pela regulação das células do sangue.

Abacate: acredita-se que a substância “persin”, presente em todas as partes do abacate e do abacateiro seja a responsável por intoxicações. A função dela é proteger naturalmente a planta do ataque de fungos. Casos de toxidade são relatados em cães, gatos, bovinos, aves, coelhos, cavalos e caprinos.
 

Principais erros na hora da refeição

Nós já falamos bastante da importância da educação à mesa na hora de alimentar os cães, algo fundamental para evitar alguns erros que podemos cometer nesse momento:

Oferecer agrados: na hora da refeição não ofereça petiscos. Isso acaba criando um vício no pet que vai sempre se interessar mais por aquele bifinho do que pela alimentação regular. Petiscos e outros alimentos que cães adoram geralmente têm um sabor e odor muito pronunciados, extremamente atrativos. Como se não bastasse, esses “agrados” vão aumentar a quantidade de calorias ingeridas e predispor o animal ao sobrepeso.

Agitação excessiva: alguns cães são muito comilões, e ficam agitados na hora da refeição. Esse hábito é ruim porque pode gerar congestão, engasgos e até mesmo casos de torção gástrica, que necessitam de tratamento cirúrgico urgente. Caso seu cão faça isso, iniba esse comportamento parando imediatamente de oferecer o alimento. Só ofereça novamente quando ele se mostrar mais calmo.

Junto com exercícios físicos: oferecer qualquer tipo de alimento ao animal antes, durante ou logo após exercícios físicos pode ser prejudicial. A atividade física atrapalha a digestão causando vômitos e em casos mais graves até torções gástricas.

Errar na quantidade: algumas pessoas acabam colocando grande quantidade de alimento para o animal, deixando-o a vontade para comer. Isso pode ser arriscado no caso dos cães mais comilões que vão ingerir muita comida de uma vez. Verifique a quantidade ideal no verso da embalagem da ração fornecida ao pet e divida a porção entre duas e três refeições ao dia.
 

Problemas gastrointestinais causados por erros na alimentação

Existem diversos problemas digestivos que podem ocorrer graças a erros na alimentação. Podem começar pela boca e esôfago pela ingestão de ossos, sementes, caroços e outros alimentos que possam ferir ou obstruir esses órgãos. E isso vale para todo o trato digestório, até o final do intestino.

No estômago, podem haver gastrites decorrentes de intolerâncias alimentares ou alimentos irritantes. A gastrite e a má digestão podem ocorrer depois de muito tempo em que o animal venha ingerindo alimentos não apropriados. Dietas mal balanceadas ou pobres em prebióticos e fibras podem causar disbiose intestinal.

A disbiose acontece quando o equilíbrio da flora intestinal é alterado, permitindo o crescimento de bactérias patogênicas que liberam toxinas. Problemas como diarreia, constipação (prisão de ventre), fezes mal formadas e má absorção de nutrientes são decorrentes desse desequilíbrio. Conforme explicado no nosso artigo anterior, sabe-se que a composição dessa colônia de bactérias é fundamental para a manutenção da saúde, principalmente no que tange à imunidade.

Vale lembrar que a recomendação é sempre seguir rigorosamente as orientações do seu médico veterinário de confiança, e utilizar apenas alimentos seguros, certificados por empresas de nutrição animal e desenvolvidos especificamente para as particularidades desses pets. Caso tenha dúvidas ou sugestões, deixe um comentário abaixo.
   

Referências

BUORO, I.B.J., et al. Putative avocado toxicity in two dogs. Onderstepoort Journal of Veterinary Research, 61: 107-109, 1994.

EUBIG, P. A., et al. Acute Renal Failure in Dogs After the Ingestion of Grapes or Raisins: A Retrospective Evaluation of 43 Dogs. Journal of Veterinary Internal Medicine. v.19, n.5, p.663-674, 2005.

FEDIAF 2017 - Fédération européenne de l’industrie des aliments pour animaux familiers. Nutritional Guidelines For Complete and Complementary Pet Food for Cats and Dogs.

GIANNICO, A.T., et al. Alimentos tóxicos para cães e gatos. Colloquium Agrariae, v. 10, n.1, p.69-86, 2014.