Categoria: Cães

Capa de 'Entendendo melhor a nutrição de cães'

Entendendo melhor a nutrição de cães

Temos falado sobre alimentação e nutrição dos cães há algum tempo no nosso blog. Falamos da evolução dos cães e como isso moldou a sua alimentação e sobre hábitos e curiosidades alimentares deles. No texto de hoje você vai entender melhor sobre o essencial da nutrição de cães. Explicaremos particularidades que os cães têm na sua alimentação, quais são os principais nutrientes necessários divididos por categoria, e falaremos também sobre o índice glicêmico.

 

Particularidades alimentares         

            Pode não parecer tanto às vezes, mas cães são animais carnívoros. Tanto o simpático e delicado Maltês, quanto o grande e robusto Pastor Alemão são iguais na fisiologia digestiva e hábitos alimentares. Conforme explicado em outros artigos no nosso blog, os cães descendem dos lobos, e herdaram suas características alimentares.  Lobos e os cães selvagens se alimentam de presas que contêm grande quantidade de proteínas e gorduras, e comem pouca quantidade de vegetais. Já o cão doméstico não precisa mais caçar presas e apresenta uma adaptação à digestão dos carboidratos dos vegetais, principalmente pelo longo período que estão partilhando nossa alimentação.  Entretanto, para se alimentar de vegetais, o ideal é que se tenha algum tipo de pré-preparo desses alimentos, para que isso facilite a retirada de energia e nutrientes dos vegetais in natura (ou seja, crus e inteiros). Já no caso de carnes e vísceras, o aproveitamento é excelente mesmo que estejam totalmente crus.

                       Portanto, cães SEMPRE vão precisar de proteína e gordura de fontes que condizem com a sua natureza, ou seja, fontes animais. A anatomia e o metabolismo do cão provam que ele ainda é um animal carnívoro. Dentes pontiagudos e mandíbula extremamente forte, estômago com alta acidez para digerir proteínas, intestino curto, entre outras características anatômicas estão presentes em qualquer cão. A capacidade de gerar energia facilmente a partir da proteína e da gordura é uma importante particularidade metabólica que os diferencia dos animais onívoros (como os humanos, por exemplo).

                         

Macronutrientes

                         Para falar de nutrição precisamos explicar quais são os nutrientes básicos que compõem uma dieta. Começaremos pelos macronutrientes, que são aqueles que devem aparecer em maior quantidade na alimentação: são as proteínas, os lipídios (gordura), os carboidratos e a água. 

 

Proteínas

            Praticamente todo o tecido do corpo de um animal é feito de proteína. Além da musculatura, as proteínas constroem pelos, unhas, pele, ossos, entre outras partes. É difícil citar as funções das proteínas, pois são inúmeras. Elas participam de muitos processos que ocorrem no organismo.

Aminoácidos: são as pequenas moléculas que se juntam para formar uma proteína. Os aminoácidos são divididos em essenciais e não essenciais. Os “não essenciais” têm esse nome porque podem ser fabricamos pelo metabolismo do animal, portanto, não são obrigatórios na dieta. Já os chamados “essenciais” são o oposto, precisam estar presentes na alimentação, sempre. No total são 10 aminoácidos essenciais para os cães. Aqui vale destacar que os alimentos de origem animal, como carne, vísceras e ovos contêm proteínas com os 10 aminoácidos essenciais juntos, e, portanto são consideradas de “alto valor biológico”.  Poucos alimentos de origem vegetal têm todos os aminoácidos essenciais, e podemos citar a quinoa como um deles.

Lipídios           

            São as gorduras as principais fornecedoras de energia, auxiliam na absorção das vitaminas lipossolúveis (vitaminas A, D, E e K) , transportam vitaminas para as células, ajudam a produzir hormônios, entre outras funções básicas no organismo. Os lipídios contêm os ácidos graxos, substâncias essenciais para uma série de processos biológicos. Um dos ácidos graxos mais famosos é o ômega 3, presente em maior quantidade no óleo de peixe.  Além dessas funções, a gordura torna o alimento mais atrativo para o cão (que por natureza busca sempre comidas ricas nesse nutriente).

Carboidratos

                       Talvez a principal característica dos carnívoros seja: eles conseguem gerar energia a partir das proteínas e das gorduras sem dificuldade. Isso é justificado pela maneira como eles vivem na natureza, alimentando-se de carcaças de outros animais, ingerindo uma menor quantidade de carboidratos em relação aos outros macronutrientes. Porém, a longa domesticação trouxe uma adaptação aos cães, tornando-os hábeis a digerir também o amido, que é uma das fontes de carboidrato presente nos vegetais. Esse nutriente serve como fonte de energia saudável e pode estar presente em uma dieta equilibrada, desde que na proporção adequada com a proteína e a gordura.

           

Micronutrientes       

             São chamados de micronutrientes os elementos que devem estar em menor quantidade na alimentação (se formos comparar com os macronutrientes), mas não deixam de ser fundamentais para a saúde. São as vitaminas e os minerais. Esses nutrientes estão presentes em boas quantidades nas vísceras dos animais, além das frutas e outros vegetais.

            Índice glicêmico

                       O índice glicêmico é um fator que determina a velocidade de absorção dos carboidratos. Esse índice classifica o carboidrato pelo tempo que ele leva para virar glicose (açúcar) no sangue. Alimentos com alto índice glicêmico geram, portanto, uma descarga grande de insulina pelo pâncreas imediatamente. A insulina é o hormônio que transporta esse açúcar do sangue para dentro das células, que o utilizarão como energia. A energia excedente será transformada em gordura. Pode parecer estranho, mas no fim da história, o açúcar (que veio dos carboidratos) acaba virando aquela gordurinha aparente.

            Já os alimentos com baixo índice glicêmico causam uma liberação gradual de insulina. Por isso, eles manterão o cão saciado por mais tempo, já que a queda dessa glicose no sangue não é abrupta porque a insulina está sendo liberada mais lentamente.