Categoria: Cães

Capa de 'Dicas para férias com seu cão'

Dicas para férias com seu cão

Para quem possui um cão, a chegada das férias pode ser motivo de preocupação. O tutor fica pensando sobre onde deixar o pet, como transporta-lo, se vale a pena ou não levar, entre outras questões. Preparamos esse artigo para ajudar nesse ponto, e garantir férias tranquilas para você e seu melhor amigo.

Vale a pena levá-lo com você?

Os animais de estimação podem ser transportados em carros, ônibus e aviões desde que sejam seguidas as regras para cada caso. Entretanto, por mais que seja possível leva-los em segurança, é comum observar um desconforto dos cães durante a locomoção. Quando viajam de carro podem ficar estressados pelo movimento, pelo calor excessivo em caso de congestionamentos e pelo espaço pequeno. Dessa forma, vômitos, mal-estar e sintomas de ansiedade são comuns. Já em viagens de ônibus e avião, existem ainda alguns outros riscos, como traumas e fugas.

Levando essas questões em conta, você pode se perguntar se realmente é necessário leva-lo com você na viagem. Existem diversas opções de hotéis para cães e até mesmo sites e aplicativos que garantem a segurança e bem-estar do seu cão durante o seu período de viagem. Essas opções permitem que o animal se divirta e seja sempre supervisionado.

Veja abaixo como escolher a melhor hospedagem para seu animal:

Hotel para cães

1) Busque indicação de algum conhecido que tenha um lugar de confiança.
2) Sempre analise o hotel através do site e das páginas em redes sociais. Lá é possível ver a avaliação e os comentários de outras pessoas que passaram pela experiência de deixar o cão naquele local.
3) Separe os hotéis que mais combinam com o perfil do seu pet e agende uma visita para conhecer o funcionamento e as instalações do lugar.
4) Quando chegar repare na higiene do ambiente e no comportamento dos animais que estão hospedados. Se os cães se apresentarem animados e confortáveis, é um bom indicativo de que as condutas são adequadas.
5) Verifique se os canis são de tamanhos bons para proporcionar maior conforto enquanto os animais descansam, principalmente em casos de cães de raças grandes.
6) Veja se o espaço de recreação é amplo e se a maior parte do tempo é destinada para atividades divertidas. É interessante que o cachorro se exercite e fique solto na maior parte do dia.  
7) É fundamental que o hotel possua funcionários disponíveis 24h para garantir a segurança do pet caso apareça qualquer problema.
8) A presença de um veterinário também é imprescindível. Caso o profissional não fique disponível o tempo todo, certifique-se de que há alguma clínica próxima 24h conveniada com o estabelecimento.
9) Em relação a segurança, confira se há portões, grades e barreiras que evitariam uma possível fuga do cão.
10) Outra forma de saber a qualidade do hotel é através dos requerimentos que eles solicitam para o tutor. Carteira de vacinação e de vermifugação devem ser pedidas e conferidas pelos funcionários. Devem ser feitas perguntas quanto ao comportamento (sociável ou agressivo), rotina e hábitos do seu cão, como alimentação e estado geral de saúde.
11) Uma boa indicação são hotéis que possuem câmeras que permitem o monitoramento dos animais ao vivo pela internet. Essas hospedagens não são muito comuns ainda, mas é uma boa alternativa para os tutores ficarem mais seguros durante o período de ausência.

Para facilitar a adaptação do seu cãozinho no hotel é importante tomar alguns cuidados, como se informar sobre a alimentação no local. É importante fornecer ao hotel o alimento que seu pet já come regularmente. Disponibilizar os brinquedos favoritos é outra boa dica que irá deixa-lo mais à vontade ao longo da hospedagem.

Sites e Aplicativos

Essa é uma opção alternativa aos hotéis, que permitem hospedar o seu melhor amigo na casa de uma pessoa que está cadastrada no aplicativo e disponível para abrigar o seu cão. Por meio de uma plataforma online é possível analisar o perfil dos candidatos que estão querendo prestar o serviço para você. Outra opção que os aplicativos dão é encontrar alguém que vá até sua casa durante a sua ausência para cuidar do pet.

Os anfitriões recebem instruções e são treinados para receber o seu pet da melhor maneira possível. Ainda devem mandar fotos e vídeos ao longo dos dias para constatar o bem-estar do seu animal. Caso ainda não seja suficiente, é possível marcar um encontro com o anfitrião para conhece-lo e falar um pouco sobre a rotina e os costumes do cachorro. Para a segurança deles, esses serviços disponibilizam uma garantia veterinária a fim de cobrir os gastos com possíveis acidentes que colocam a saúde do cão em risco.

Decidiu levar o pet com você?

Caso você opte por levar o seu animal, lembre-se de verificar se o local que você irá se hospedar aceita a presença de cães e se há espaço suficiente para ele. Alguns hotéis oferecem instalações específicas (canil), enquanto outros permitem que os bichinhos fiquem dentro dos apartamentos se forem mantidos em condições adequadas de higiene e segurança. Se estiver tudo nos conformes, o próximo passo é transportá-lo com segurança até lá. Veja a seguir as melhores dicas para não colocar o seu pet em risco:

Regras e dicas para transporte no carro

1) O cão deve estar dentro de uma caixa de transporte (presa no cinto de segurança) ou no banco de trás com peitoral preso ao cinto.
2) Para evitar acidentes, pode-se utilizar o uso de divisórias (grades de proteção) que impedem a circulação e o contato do cachorro com o motorista.
3) Por serem bastante sensíveis ao calor, é importante se atentar a temperatura interior do carro. Caso o veículo possua ar condicionado, o mesmo deve ser utilizado quando necessário. Se não tiver, evite viajar em dias quentes e quando há possibilidade de grandes congestionamentos. Opte pelo período da manhã e da noite que costumam ser mais frescos.
4) Frequentemente os pets apresentam enjoo e às vezes acabam vomitando. Portanto, não alimente seu pet por no mínimo 4 horas antes de viajar.
5) Também é indicado fazer paradas ao longo do trajeto para o cão dar uma voltinha e fazer as suas necessidades. Mas lembre-se: não pare em acostamentos! Além de ser proibido, ainda há o risco de ele fugir e se acidentar na estrada.
6) Em relação a legislação, não é permitido que o cachorro fique no assento do motorista, na parte externa do veículo (caçamba de caminhonete) e com a cabeça para fora. Caso as leis sejam descumpridas, o condutor pode ser multado, e a segurança de todos estará em risco!
7) Se possível, acostume seu melhor amigo a andar de carro desde pequeno. Assim, ele se adapta mais facilmente e viaja com mais conforto.

Regras e dicas para transporte no ônibus

1) O cão deve ser transportado no assento ao lado, acompanhado pelo tutor e dentro de uma caixa de transporte à prova de vazamentos.
2) Para embarcar, é necessário apresentar o Atestado Sanitário para o trânsito de cães (assinado por um médico veterinário), emitidos em até três dias antes da viagem.
3) Carteira de vacinação em dia também é imprescindível.
4) Dependendo da empresa, não são permitidos animais de médio ou grande porte. Faça uma consulta diretamente com a empresa em questão.
5) Antes de entrar no ônibus, procure dar algumas voltas com o animal do lado de fora para reduzir o estresse.

Regras e dicas para transporte no avião

1) Para seguir viagem, as companhias aéreas exigem a apresentação da carteira de vacinação atualizada e um atestado veterinário.
2) É necessário avisar a companhia com antecedência, pois na maioria dos casos há um limite do número de animais por voo.
3) O animal deve ser transportado em uma caixa de transporte resistente, com ventilação e com o tamanho determinado pelas empresas aéreas.
4) Há duas opções de transporte: Pet Cabin e despacho. A primeira opção permite que o cão embarque com seu tutor na cabine. Mas, só são autorizados animais de pequeno porte, com peso máximo de 10Kg. Já na segunda opção, o animal viaja em um compartimento fora da cabine. Dessa forma, é importante identificar a caixa de transporte e o próprio cão.
5) Procure se informar sobre as raças permitidas de cada empresa. Normalmente não são permitidas raças braquicefálicas (de focinhos curtos) por serem mais sensíveis as alterações de pressão e temperatura. Além disso, a maioria possui dificuldades respiratórias.
6) Em casos de voo internacional, certifique-se da legislação do país, pois alguns exigem que o animal passe por um período de quarentena antes de liberarem a sua entrada.

Antes de fazer qualquer viagem, procure um médico veterinário para avaliar as condições de saúde do seu cão. Em alguns casos pode ser necessário a prescrição de algum medicamento para reduzir as chances de crises de estresse e ansiedade. Além disso, o médico veterinário pode te orientar melhor sobre regras e medidas necessárias durante uma viagem. Outra dica é sempre checar diretamente com as companhias aéreas e de transporte rodoviário antes de viajar com seu cão.

Referências

CTB – Código de Trânsito Brasileiro

Art. 169. Dirigir sem atenção ou sem os cuidados indispensáveis à segurança:

Art. 235. Conduzir pessoas, animais ou carga nas partes externas do veículo, salvo nos casos devidamente autorizados:

Art. 252. Dirigir o veículo:

II – Transportando pessoas, animais ou volume à sua esquerda ou entre os braços e pernas;

RUFFO, G. H. Como transportar seu animal de estimação com segurança dentro do carro. Revista Quatro Rodas. 2016.

ESTÚDIO GLOBO. Como transportar o pet no carro com segurança. Revista Auto Esporte. 2016.