Categoria: Cães

Capa de 'Diabetes em cães: saiba as causas e como tratar'

Diabetes em cães: saiba as causas e como tratar

Embora muitos donos se espantem quando seu cão é diagnosticado com Diabetes, é preciso compreender que mesmo acometido pela doença o animal consegue levar uma vida saudável e longa quando o tratamento é feito de forma adequada.

 

O que é Diabetes?

Existem dois tipos de Diabetes: o Tipo I e o Tipo II. A veterinária e Gerente Técnica da Farmina Pet Foods, doutora Karina Venturelli, explica que no Tipo I o pâncreas do animal já não produz mais insulina, por isso não metaboliza a glicose presente no sangue em energia para as células. Esse é o motivo pelo qual o diabético possui alta concentração de açúcar no sangue. Já no Tipo II, o pâncreas ainda funciona, mas a ação da insulina está prejudicada, por isso, caso não tratada pode evoluir para o Tipo I. Em cães não há relatos do Tipo I. As principais causas que propiciam o desenvolvimento da doença são processos auto imunes, pancreatite, infecções que levam a danos no pâncreas e fatores genéticos também podem favorecer o aparecimento da doença.


Quais os sinais?

O dono do pet deve se atentar com qual freqüência o animal bebe água e urina. A Polidipsia (ingestão de água em excesso) e a Poliuria (produção de urina em excesso) são sinais de que o cão pode estar com Diabetes. Também pode ser notado o aumento  da ingestão de alimentos (polifagia) associado à perda de peso. Isso acontece porque o animal está eliminando pela urina a glicose que deveria ser utilizada como fonte de energia, aumentando assim então a fome e diminuindo o peso, pois o organismo do animal não retém o que é necessário. Outro sinal clínico observado é a catarata, muitas vezes este é o único indício notado pelo proprietário, pois os olhos do cão começam a ficar opacos e ele começa a bater em coisas pela casa.

 

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico é sempre baseado no histórico clínico do animal, nos hábitos observados pelo dono e a partir dos exames de urina e sangue.

 

Existem raças propensas?

Segundo a Doutora Karina, existem raças de cães que apresentam maior risco de ocorrência, como o Poodle miniatura, Samoieda, Pugs, Poodles toys e Schnauzer miniatura. Em contrapartida, algumas raças, como os Cockers Spaniels, Pastores Alemães, Golden Retrievers e American Pit Bull Terriers parecem apresentar baixo risco para desenvolverem o Diabetes Mellitus. Além da raça fêmeas são mais suscetíveis.

 

Tratamento

Basicamente o tratamento está pautado na aplicação de insulina e uma dieta adequada. Para o Tipo I, onde não há produção de insulina no organismo, o animal precisa receber duas vezes ao dia a aplicação de insulina alinhada à alimentação, que embora coadjuvante, vai melhorar a ação da insulina. O ideal é o uso de um alimento que foi desenvolvido e indicado para o tratamento do diabetes.

 

Dica Farmina Pet Foods

 

 

Este alimento é indicado para animais diagnosticados com Diabetes, dentre os seus benefícios está a maior quantidade de fibras especiais como a polpa de beterraba, celulose, casca de ervilha e casca de psyllium que em conjunto favorecem a redução da glicemia após alimentação.Além disso, Vet Life Natural Canine Obesity & Diabetic possui fontes de amido como o sorgo, aveia e cevada que possuem digestão e assimilação lenta para que o animal não tenha um pico de glicemia rápido. Converse com seu veterinário e peça orientação e prescrição nutricional do produto.

Happy pet. Happy you.