Categoria: Saúde e Bem-Estar

Capa de 'Cuidados com a pele e pelagem do seu gato'

Cuidados com a pele e pelagem do seu gato

Nos últimos artigos da nossa coluna semanal você tem visto bastante sobre o tema pele e pelagem dos gatos. Neste mês mostramos detalhadamente quais são os nutrientes essenciais para manter a pele e a pelagem bonitas e saudáveis, falamos sobre como problemas de comportamento podem afetá-las e no último artigo discorremos sobre dois alimentos que trazem diversos benefícios aos gatos: a quinoa e a linhaça. No artigo a seguir vamos detalhar quais são os cuidados necessários para que seu gato esteja com a pele sempre saudável e a pelagem exuberante.

Anatomicamente falando, a pele dos gatos é muito diferente da nossa, e por isso ela inspira cuidados. Por mais que não pareça, a espessura é bem menor que a de seres-humanos, e menor até que a dos cães (que já têm uma pele considerada fina). Hábitos que não agridem a nossa pele podem causar irritação e até graves lesões nos felinos.

Mas os gatos dispõem de mecanismos de proteção eficazes, e o principal deles é o pelo. A pelagem dos gatos é dupla, com os pelos primários que são mais longos e mais grossos, e com os secundários (chamados de subpelo), que são finos. Além da barreira física que o pelo promove, na raiz há a secreção de substância sebácea (gordurosa) que forma uma camada que impede a perda de água ajudando a manter a pele e a pelagem hidratadas, maleáveis e flexíveis, além de equilibrar a flora bacteriana local (que também participa da defesa).  
 

Hábitos prejudiciais

Agora que você já sabe como é o funcionamento e a anatomia da pele e dos pelos dos gatos, vamos citar aqui alguns hábitos que podem prejudica-la.

Banhos em excesso: gatos podem se estressar quando são higienizados. Pelo fato de se limparem sozinhos, os felinos não entendem a função do banho. Eles interpretam a água e o shampoo como algo que precisa ser retirado da sua pelagem o quanto antes. Outro ponto importante é que o excesso de limpeza através de banhos frequentes retira a camada de gordura, elimina bactérias benéficas e fragiliza a pele, predispondo à doenças.

Algumas pessoas acabam exagerando nos banhos na tentativa de tirar o cheiro característico que sentem no bichano, porém esquecem que esse odor é natural e importantíssimo para a comunicação e marcação de território deles. Retirar esse odor estressa o felino. No geral, gatos raramente precisam de banhos. O recomendado é só dar banho quando ele estiver visivelmente sujo. A frequência ideal pode variar, mas evite banha-lo mais do que 1 vez a cada 45 dias.

Tosa: exceto quando há um ferimento que precisa ser tratado, na preparação de procedimentos veterinários, ou quando há uma sujeira impossível de ser retirada com um banho, não é recomendado tosar um gato. Conforme explicamos acima, o gato tem pelagem dupla, e o chamado subpelo é a camada mais profunda. O subpelo não pode ser tosado, pois ele garante proteção térmica regulando a temperatura da superfície da pele. No calor, o subpelo funciona como uma manta que impede o corpo de absorver o calor. No frio ele é um isolante térmico, impedindo que o corpo perca calor com o ambiente, mantendo a temperatura. O máximo que pode ser feito no verão é um tipo de tosa específica para gatos, apenas com a tesoura, onde se aparam as pontas dos pelos mais longos, sem atingir as camadas profundas. Somente um profissional qualificado pode realizar essa tosa.

Permitir o acesso à rua: gatos com acesso à rua correm uma série de riscos. Brigas, quedas e até maus tratos atingem sempre a pele. É comum gatos brigarem por território. Muitos parasitas de pele, principalmente os fungos, são transmitidos durante essas brigas, nas arranhaduras e mordeduras dos felinos.
 

Mantendo parasitas longe

Os chamados ectoparasitas (parasitas externos) são uma causa comum de doenças de pele em gatos. São as pulgas, carrapatos, ácaros (sarnas) e piolhos. Eles causam coceira intensa, inflamação do local da picada, alergia e feridas que podem se complicar devido à infecção por fungos e bactérias.

O controle de ectoparasitas deve ser realizado paralelo ao cuidado com ambiente, uma vez que os parasitas adultos encontrados no gato serão apenas 5% do total deles na sua casa. Limpe sempre os locais onde o animal tem contato, como camas, casinhas, sofás, cantos de parede e vãos entre os móveis, pois são nesses lugares que os parasitas gostam de ficar.

Felizmente já existem medicamentos capazes de quebrar o ciclo desses ectoparasitas, atingindo-os também no ambiente. Use somente medicamentos recomendados pelo seu médico veterinário de confiança.
 

Influência da alimentação

A alimentação pode tanto prejudicar como ajudar na saúde da pele e da pelagem. Conforme explicamos em outro artigo, existe uma série de nutrientes essenciais. Entre eles estão o ômega 3, oriundo do óleo de peixe, e os minerais zinco e selênio que estão presentes nos alimentos de origem animal, principalmente as carnes. Existem ainda as vitaminas A, E e B2 que podemos citar como importantes. Para que o efeito desses nutrientes seja efetivo, é necessária uma alimentação completa e balanceada, rica em antioxidantes que vão auxiliar o organismo a combater inflamações, e com características da alimentação natural dos carnívoros, ricas em produtos de origem animal. Erros na alimentação dos gatos podem causar graves problemas de pele, além de queda intensa de pelo.
 

Dicas de manejo para reduzir problemas de pele

Nutrição de qualidade: fique atento e só ofereça alimentos completos, produzidos e por empresas de nutrição animal certificadas e indicados pelo seu médico veterinário de confiança. Hábitos como oferecer petiscos, comida caseira, ou uma alimentação de baixa qualidade vão causar um desequilíbrio nutricional que pode afetar diversas funções do organismo. Alguns alimentos, em alguns animais, podem até desencadear alergias que irão causar alterações na pele.

Não ‘humanize’: não trate o gato como um “mini ser-humano”, evite o excesso de banhos, tosas e o uso de perfumes. Não ofereça alimentos que nós comemos, mesmo que pareçam saudáveis e naturais.

Escovação: independente da raça e da idade, crie o hábito de escovar seu gato. Além de ser um momento agradável para o pet e para o tutor, a escovação retira grande quantidade de pelos que já estão mortos, evitando que eles sejam engolidos quando o gato realizar sua higiene ao se lamber. A escovação contribui para pelos mais bonitos, saudáveis e pode até relaxar o bichano.

Evite o estresse e o tédio do gato: gatos que apresentam muito estresse e ansiedade podem desenvolver grandes ferimentos na pele resultantes da automutilação. Os gatos são animais muito sensíveis a mudanças no seu cotidiano e se estressam com facilidade, o que desencadeia um comportamento compulsivo. Para aliviar o tédio, introduza o enriquecimento ambiental na casa, estimulando os comportamentos naturais dos felinos. Aproveite e participe das brincadeiras.

Com esses cuidados, você estará contribuindo para uma pele saudável e uma pelagem exuberante do seu pet. Caso tenha dúvidas ou sugestões, deixe um comentário abaixo.
 

Referências

SOUZA, T.M. et al. Histological aspects of canine and feline skin as a tool for dermatopathology. Pesquisa Veterinária Brasileira. v. 29, n. 2, 2009.