Categoria: Saúde e Bem-Estar

Capa de 'Como ter uma vida saudável ao lado do seu pet'

Como ter uma vida saudável ao lado do seu pet

Atualmente muito tem se falado de vida saudável. A preocupação das pessoas em reduzir o estresse, equilibrar a alimentação e praticar exercícios tem aumentado à medida que algumas doenças e a obesidade se tornaram mais prevalentes na população. Esses problemas ocorrem não só nas pessoas, como também nos cães e gatos.  No texto de hoje você verá dicas de como levar uma vida mais saudável e prazerosa na companhia do seu animal de estimação, e de como isso pode fazer bem para você e para o seu pet.


Qualidade de vida e bem-estar ao lado de um pet


Ter um animal de estimação pode ajudar e muito na melhora da qualidade de vida. Para quem gosta, a companhia de um pet pode trazer um grande bem-estar físico e psicológico, tornando a vida mais saudável.  Mas, para que esse convívio com o animal seja realmente prazeroso e benéfico, é necessário observar alguns cuidados.

Primeiramente, devemos ter em mente que o pet vive em média de 12 a 14 anos, às vezes até mais do que isso. Por isso, é necessário pensar no futuro, já que o animal precisará dos nossos cuidados durante toda a vida dele. Estar preparado para se dedicar ao animal fará essa tarefa se tornar um ato de carinho e atenção, e não um problema.  

Outro ponto importante a se pensar é que devemos escolher um pet que se encaixe no nosso perfil. Por exemplo, no caso de uma pessoa que mora sozinha em apartamento e fica fora da residência o dia todo, não é recomendado um filhote de labrador (ou outra raça de grande porte) - imagine esse cão preso o dia todo em um espaço diminuto, tentando interagir com um ambiente sem grandes atrativos para ele. Os animais precisam gastar a sua energia, e passeios e brincadeiras são necessários e irão fazer bem para você e para ele. Então, pondere sobre o porte do animal, o tipo de pelagem, o temperamento da raça, pesquise sobre os cuidados necessários, e pense nas situações que vocês irão enfrentar juntos, sempre respeitando a natureza do pet escolhido.

Vale pensar também na possibilidade da adoção, pois ao adotarmos um animal de rua estamos evitando que ele fique abandonado e gerando ainda mais cães sem dono que irão sofrer as consequências do abandono. Adotar é sempre um ato de amor muito gratificante!

Outro cuidado importante ao se tomar para que o bem-estar prevaleça na relação com os cães ou gatos é o da educação. Educar o animal corretamente, sem mimos ou exageros, tornará mais fácil o convívio. Um dono consciente e um animal educado irão contribuir para a qualidade de vida da família. 

             

Alimentação equilibrada é a base de tudo


É clichê, porém nunca é demais falar sobre a importância de uma alimentação balanceada. No caso dos animais, pode parecer simples, mas nem sempre é fácil lidar com a alimentação deles. Cães e gatos são animais carnívoros e têm necessidades nutricionais e um sistema digestivo bem diferentes da gente.

Na natureza, a base da alimentação dos carnívoros são as presas: outros animais menores que contém grande quantidade de proteína e gordura na sua composição corporal. Raramente cães e gatos selvagens ingerem alimentos vegetais naturalmente, e os carboidratos da dieta vêm geralmente do conteúdo gastrointestinal das suas presas que são herbívoras ou onívoras. Dito isso, é fácil entendermos por que é tão prejudicial oferecermos alimentos humanos aos pets. Conforme explicamos no artigo anterior sobre obesidade, a ‘humanização’ dos animais tem contribuído e muito para a grande ocorrência de obesidade e suas consequências para eles. Excesso de mimos alimentares desequilibra totalmente a dieta do animal, até mesmo quando esses petiscos são próprios para os pets.

Atualmente temos uma nutrição veterinária muito avançada, oferecendo soluções alimentares já desenvolvidas exclusivamente para suprir as necessidades dos carnívoros. Após décadas de estudos e observação científica dos animais, temos a disposição diversos alimentos elaborados cuidadosamente para cães e gatos. Ao oferecermos restos alimentares ou petiscos em excesso nós estamos desequilibrando essa dieta, e podemos predispor o animal a doenças e à obesidade. Mesmo que pareça que ele fique feliz ao receber esses agrados, devemos lembrar que esse hábito pode “viciar” o pet e deixa-lo sempre ansioso por encontrar cada vez mais alimentos ‘super saborosos’, porém prejudiciais, e isso pode causar até um grave problema de comportamento.


Exercite-se: sua saúde e seu pet vão agradecer


Praticar exercícios pode parecer algo chato para muitas pessoas. Porém, todo mundo tem um ou dois tipos de atividade física que lhe agrada, e felizmente, passear com seu cão ou brincar com seu gato é quase sempre uma delas.

Os animais também ficam entediados, e isso pode fazer mal para eles. Cães e gatos precisam se exercitar, gastar sua energia no ambiente em que vivem. Passear e brincar traz não apenas benefícios físicos, porém psicológicos aos animais. Além de combater a obesidade, ela melhora o condicionamento cardiovascular e respiratório, fortalece ossos, articulações e músculos, e aumenta principalmente o bem-estar do animal.  A atividade física vai fortalecer a relação entre você e seu pet, melhorando a qualidade de vida de ambos.


Os benefícios de ter um animal de estimação


Além de estimular a prática de exercícios físicos, melhorar o bem-estar e a qualidade de vida, os animais podem ainda nos trazer mais benefícios.

Cães e gatos ajudam no desenvolvimento de crianças, ensinando regras e responsabilidades de forma leve e natural, estimulam a prática de atividade física e ajudam no tratamento de doenças, entre outros benefícios.  Existem estudos que relacionam uma melhor imunidade em crianças que mantém contato com os animais desde a primeira infância.

Para os adultos, a convivência com animais também é saudável. Uma pesquisa que durou 10 anos mostrou que ter um gato pode reduzir em até 30% os riscos de ter um ataque cardíaco. Já um estudo australiano com 5741 participantes demonstrou que proprietários de pets apresentaram menores níveis de pressão arterial. Na pesquisa com pessoas acima de 60 anos de idade foram observados menores níveis de triglicérides em quem era proprietário de um animal de companhia ao comparar com quem não era.

Essas pesquisas falam sempre no papel que o pet tem em aliviar a tensão, reduzir o estresse, melhorar a qualidade de vida e ajudar pessoas em situação de fragilidade emocional ou física. Não podemos deixar de citar as terapias com animais que auxiliam muito no tratamento de doenças debilitantes, alegrando e ajudando a recuperar a condição física dos pacientes. Ter um animal de estimação é ter um amigo sempre ao nosso lado! Happy pet. Happy you.

 

Fontes consultadas

Glenn N. Levine - Pet Ownership and Cardiovascular Risk - A Scientific Statement From the American Heart Association – Circulation.