Categoria: Saúde e Bem-Estar

Capa de 'Como cuidar de filhotes recém-nascidos'

Como cuidar de filhotes recém-nascidos

Você tem uma cadela gestante ou simplesmente se deparou com alguns filhotes recém-nascidos e agora precisa cuidar deles. Não há motivo para se desesperar, eles são frágeis, mas não é difícil cuidar de filhotes recém-nascidos. Tudo o que eles precisam é de carinho e atenção. Confira neste guia quais são os primeiros cuidados, como alimentar recém-nascidos de cães e de gatos, e como manter a saúde deles nessa fase crucial.

Primeiros cuidados com cães e gatos recém-nascidos

Primeiramente, vamos definir o que é um animal recém-nascido, ou chamado de neonato pelo termo médico. Do primeiro dia de vida até aproximadamente 2 semanas os cães e gatos são considerados neonatos. Porém, podemos considerar até a 4ª semana, pois é a idade mínima recomendada de amamentação e somente a partir daí o animal consegue ter alguma autonomia.

O recém-nascido é incapaz de regular sua temperatura corporal quando o ambiente está mais frio, não enxerga e não ouve. As pálpebras ficam fechadas e o sistema visual ainda é pouco desenvolvido. Apenas aproximadamente do 10º ao 14º dia que os olhos abrem.  Cães e gatos também nascem com o conduto auditivo fechado. Nos cães, a abertura acontece entre o 14º e o 17º dias, e nos gatos, entre o 6º e 10º dias. As funções do metabolismo são ainda imaturas, e vão se ajustando com o passar das semanas.

Cuidados após o parto da cadela ou da gata

Basicamente, se a fêmea está saudável e correu tudo bem no parto, não há muito o que fazer a não ser observar e se certificar que tudo está seguro. Importante ressaltar que o indicado no caso de neonatos órfãos é solicitar a supervisão de um médico veterinário.

Antes mesmo do parto o tutor precisa separar um local para servir de ninho para a fêmea, longe de frio, vento e umidade, totalmente coberto e distante de outros animais e pessoas. Esse “ninho” deve ficar elevado do chão através de algum cobertor ou base acolchoada. Deve ser utilizado algum tipo de caixa, para evitar que os filhotes saiam e sofram acidentes.

Limpeza e estímulos: A mãe cuidará de tudo, alimentando, fazendo a limpeza e estimulando o filhote a urinar e defecar. Quando não há a mãe, caso ela tenha falecido no parto ou rejeitado os filhotes, tudo isso deve ficar a cargo do tutor e/ou de um médico veterinário. Com auxílio de algodão, gazes e cotonetes, deve-se fazer toda a limpeza delicadamente. É necessário estimular a micção e defecação. Mergulhe um pano macio ou um pedaço de gaze em água morna e massageie suavemente as regiões anal e urinária após a alimentação. O calor, a textura e o movimento imitam a língua da mãe. Isso deve ser feito algumas vezes ao dia até aproximadamente o fim da segunda semana.

Aquecimento: Caso a mãe esteja presente não é necessário aquecimento se a temperatura ambiente estiver acima de 21 graus Celsius, apenas proteja do vento e umidade, forrando toda a cama para evitar que o frio do piso passe para os animais. Sem a mãe, os recém-nascidos devem permanecer com temperatura de 30 a 35 graus nos primeiros 10-15 dias. Pode-se utilizar cobertores ou almofadas térmicas e lâmpadas de aquecimento. A lâmpada deve ser colocada alta o suficiente acima da caixa para evitar qualquer risco de queimadura. Também deve haver um canto mais frio na caixa para o qual os filhotes possam ir se se sentirem quentes demais.

Observando os filhotes: Após o parto, o tutor deve observar se todos os filhotes estão aparentemente bem e se são capazes de mamar. Muitas vezes tem um filhote que apresenta mais dificuldades, esse deve ser auxiliado. É normal que eles chorem, mas choros muito longos e frequentes sinalizam que algo não vai bem. Um detalhe importante é que o tutor deve evitar manipular os recém-nascidos, intervindo somente quando necessário. Os odores humanos podem atrapalhar a identificação que a fêmea faz das suas crias, e o estresse da movimentação forçada pode prejudicar os animais.

Peso dos filhotes: O peso médio ao nascer para os filhotes depende da raça. Durante as primeiras semanas de vida, o peso corporal de um filhote pode dobrar ou até triplicar. Ganhar 5 a 10% do peso ao nascer diariamente é o considerado o normal. Filhotes que não ganham peso adequado durante esse período inicial podem não sobreviver.

Alimentação de cães e gatos recém-nascidos

A alimentação, sem dúvidas, é extremamente importante nos primeiros dias de vida do animal. O manejo alimentar correto e uma nutrição adequada na fase de crescimento são determinantes para proporcionar boas condições de saúde ao pet durante a vida adulta. Portanto, é necessário entender quais são os cuidados básicos e o que deve ser feito com o passar das semanas.

Alimentação do filhote com a mãe

Nesse caso, quanto menos o tutor interferir, melhor para mãe e para o filhote. Além de evitar estresse, o instinto materno é capaz de realizar tudo que é necessário para que o animal recém-nascido consiga se alimentar corretamente. Entretanto, é preciso ficar atento a alguns detalhes. Primeiramente, logo após o parto, é fundamental certificar que o filhote ingeriu o colostro nas primeiras 12 horas de vida. O colostro é o primeiro líquido secretado pela mãe após o parto. Esse líquido é bastante semelhante ao leite (menos volumoso) e muito importante por possuir anticorpos e os nutrientes necessários para os primeiros dias de vida. É válido ressaltar que antes de ficar gestante, a fêmea precisa estar vacinada para que ela consiga produzir e transferir os anticorpos gerados pela vacina para toda a ninhada.

Após ter certeza que todos os filhotes ingeriram o colostro, a próxima etapa é garantir que os tetos estejam limpos e sem nenhum sinal de anormalidade, como por exemplo, estar inchado e muito avermelhado. Também é essencial observar se todos estão se alimentando bem diariamente, às vezes tem um mais fraco e com mais dificuldade de chegar nas mamas, esse pode ser ajudado manualmente.

Uma dica interessante é deixar os potes de água e de alimento da fêmea no mesmo ambiente. Pelo instinto protetor, a mãe evita se distanciar das crias e, por esse motivo, pode se alimentar inadequadamente.  O período de lactação é o maior desafio nutricional de um animal. A nutrição da gestante deve ser muito bem observada. Se a progenitora estiver mal alimentada, a ninhada terá um leite de menor qualidade e quantidade, e a saúde da fêmea será afetada.

Alimentação do filhote sem a mãe

Existem algumas situações em que o filhote cresce sem a presença da mãe, como por exemplo, em caso de rejeição da progenitora, abandono ou morte da mãe no parto. Sendo assim, veja os cuidados que devem ser tomados nesse caso, que exige muita dedicação.

Sabemos que a alimentação ideal de recém-nascidos é de somente leite materno. Sendo assim, caso essa opção não esteja disponível, é necessário visitar um Médico Veterinário para que ele indique um alimento industrializado substituto, ou formule uma receita caseira. Existem hoje no mercado alguns produtos que são capazes de suprir a demanda nutricional do organismo do animal nessa fase da vida. Também há a opção de formular um leite caseiro, receitado exclusivamente por um Médico Veterinário. Oferecer apenas o leite de vaca ou utilizar receitas prontas da internet, não é indicado e vai deixar os filhotes desnutridos.

Após decidir qual é a melhor fonte nutricional, a próxima etapa é escolher qual o instrumento mais recomendado para o fornecimento do leite. A escolha deve ser feita baseada no material que seja mais fácil para o tutor administrar e que seja aceito com facilidade pelo filhote, de acordo com seu porte. As opções mais comuns são: seringa sem agulha, conta gotas ou mamadeira pequena (indicada para filhotes). A quantidade e a frequência que deve ser fornecida variam muito de acordo com a espécie do animal, idade e peso atual. Portanto, essas recomendações também devem ser feitas por um profissional da área após uma análise individual.

Desmame

A última fase desse processo é realizar o desmame. O desmame nada mais é do que a substituição do leite pelo alimento sólido. Essa substituição deve começar a ser feita gradualmente a partir da quarta a quinta semana de vida. O desmame consiste em oferecer pequenas porções de ração para filhotes, sem retirar os animais da amamentação. Com o tempo eles vão começar a ingerir o alimento sólido e a mãe vai afastá-los das suas mamas, até o dia que irá recusar amamenta-los.

No caso de animais sem a mãe, o processo é o mesmo: continuar dando o leite substituto e oferecer ração aos poucos. Por volta da 6ª para a 7ª semana os animais já podem se alimentar apenas de ração.

Vermifugação de filhotes recém-nascidos

Segundo o órgão americano CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças) o programa de vermifugação deve ser iniciado a partir da terceira semana de vida, com repetição das doses a cada 2 semanas. Esse tratamento deve se estender até pelo menos a 8ª semana de vida dos animais. Em alguns casos é necessário prolongar até a 12ª semana. A mãe precisa ser tratada também, junto com os filhotes, já que alguns parasitas podem ser transmitidos pelo leite. Antes mesmo do parto é indicado um protocolo de vermifugação na fêmea. É importante monitorar os animais com exames parasitológicos para confirmar a necessidade de tratamento. A escolha dos medicamentos compete ao veterinário, que escolherá princípios ativos de baixa toxicidade.

Vacinação de cães filhotes

A vacinação fornece estímulo ao sistema imunológico para o organismo defender-se de doenças infecciosas graves. É importante destacar que esse protocolo pode variar dependendo do veterinário. A recomendação é sempre procurar médicos veterinários devidamente registrados em seu conselho de classe, evitando vacinas e protocolos sem a indicação destes profissionais.

1ª dose 45 dias de idade: vacina polivalente (V8, V10, V11)

2ª dose 21-30 dias após 1ª dose: vacina polivalente

3ª dose 21-30 dias após 2ª dose: vacina polivalente

A partir das 12 semanas de idade: vacina antirrábica

Vacinação de gatos filhotes

1ª dose 45-60 dias de idade: vacina polivalente

2ª dose 21-30 dias após 1ª dose: vacina polivalente

A partir das 12 semanas de idade: vacina antirrábica       

Esperamos que esse conteúdo tenha lhe ajudado a cuidar ainda melhor de cães e gatos recém-nascidos. Nunca é demais lembrar que o acompanhamento de um médico veterinário é necessário para mãe gestante e para os filhotes. Em relação à alimentação, temos um canal direto de acesso aos nossos especialistas em nutrição de cães e gatos, chamado Suporte Nutricional Farmina. Clique aqui para enviar sua dúvida para eles, e garanta a melhor nutrição possível para os seus animais de estimação!