Categoria: Gatos

Capa de 'Características nutricionais dos gatos'

Características nutricionais dos gatos

Os gatos estão ganhando cada vez mais espaço nos lares. Apesar de se adaptarem bem à vida dentro de casa, eles possuem várias necessidades que devem ser respeitadas. Talvez, a maioria dessas necessidades venha de um fato que quase todos os tutores já perceberam — esses gatinhos ainda têm muita conexão com seus ancestrais, os gatos selvagens. Entenda quais são as principais características da alimentação e nutrição dos gatos.

Gatos: carnívoros estritos?

Gatos são o que podemos chamar de carnívoros estritos. Embora os cães também pertençam à ordem dos carnívoros, sua gama de preferências alimentares é muito maior que a dos gatos, e pode até ser classificada por alguns autores como onívoros — animais que comem tudo.

Embora muitos acreditem erroneamente que os cuidados com os gatos são semelhantes aos de um cachorro pequeno, os gatos têm necessidades especiais e requerem nutrição adequada. As deficiências nutricionais causadas por uma dieta inadequada podem levar o gato a apresentar sintomas sutis, como problemas de pele e condições graves, como alterações neurológicas, fraqueza e até morte.

Os gatos desenvolveram estratégias específicas para metabolizar proteínas, aminoácidos, gorduras e vitaminas. Por exemplo, a necessidade mínima de proteína necessária para um felino em crescimento é cerca de 50% maior que a de um cão da mesma idade, e a quantidade de proteína para manutenção de um gato adulto é no mínimo 40% maior que a de um cachorro adulto! Em outras palavras, os gatos precisam de uma dieta rica em proteínas, especialmente de origem animal.

Essa alta demanda de proteínas é causada, em parte, pela capacidade dos gatos de usar aminoácidos (as moléculas que formam proteínas) como base para a produção de energia. Essa adaptação é provavelmente um legado de seu passado como caçadores carnívoros, onde a carne (que é composta quase exclusivamente de proteínas) formava a base de sua dieta.

Um gato adulto precisa de uma dieta que contenha pelo menos 25% de proteína para uma manutenção saudável. No entanto, estudos enzimáticos mostram que o sistema digestivo em gatos é permanentemente ativado para lidar com essas altas quantidades de proteínas provenientes de sua dieta. Essa alta ativação causa certa perda 'obrigatória' das proteínas ingeridas, por isso é muito importante manter SEMPRE altos níveis de proteína em seus alimentos.

Mas o que os gatos comem na natureza?

Felinos são caçadores naturais. Na natureza, quase todas as espécies possuem grandes áreas de uso e grande capacidade de movimentação, passando boa parte do período de atividade em busca de suas presas e defendendo seu território. É por isso que nossos amigos felinos mostram essa tendência de passear pela rua e arredores — eles estão apenas repetindo o comportamento de patrulha de caça e território herdado de seus ancestrais. Apesar disso, sabemos que hoje em dia é muito perigoso deixar os gatos livres, principalmente nas ruas dos centros urbanos, onde existe o risco de pisoteios, brigas e quedas. Felizmente, o gato doméstico se adaptou bem a viver dentro de casa.

Dado o contexto de caça, a predominância de proteínas em sua dieta não é surpresa. Afinal, caçar significa presa, e presa significa carne! E os felinos estão muito bem adaptados a ele. Eles têm grandes corpos carnais e um número limitado de dentes pré-molares e molares — o que significa que estão mais preparados para rasgar carne do que mastigar grãos e raízes. Na natureza, gatos grandes puxam pedaços de carne de dentes com seus caninos e os engolem inteiros; os gatos pequenos, por sua vez, usam seus molares mais extensivamente para mastigar e moer os alimentos antes de engolir. Gatos selvagens raramente ingerem algo que não é de origem animal.

Mesmo com menor importância relativa, os carboidratos devem estar naturalmente presentes em uma dieta completa e equilibrada. Não é porque o seu gato tem ascendência de caça que ele será mais saudável se você o alimentar apenas com filé mignon. Na natureza, os gatos comem pequenas porções de carboidratos indiretamente quando se alimentam das vísceras (contendo restos alimentares de plantas pré-digeridas) de suas presas.

Gorduras (ou lipídios) também são um dos principais ingredientes da dieta felina. Suas presas ingeridas na natureza também são ricas em gorduras e, é essencial que os alimentos comerciais modernos sigam o exemplo.
É por isso que é muito importante que a comida para gatos respeite a evolução desses animais. Os alimentos devem ser mais ricos em proteínas e gorduras, provenientes de fontes animais de boa qualidade, com quantidades equilibradas de vitaminas, minerais e uma baixa quantidade de carboidratos.

Principais diferenças nutricionais entre cães e gatos
Como já mencionado neste artigo, os gatos são muito diferentes dos cães. Em nutrição, há vários recursos dignos de atenção:

  • Trato digestivo

O trato digestivo dos gatos é mais adaptado à digestão exclusivamente de proteínas animais do que dos cães. Os cães têm no total 42 dentes permanentes, os gatos têm apenas 30. Essa diferença numérica está principalmente nos dentes molares e pré-molares, responsáveis ​​pela moagem de alimentos compostos por fibras e / ou carboidratos. Quanto ao estômago, os gatos têm um pH mais ácido, que ajuda a digerir a carne ingerida. Seus intestinos são mais curtos porque a digestão de alimentos ricos em proteínas é mais rápida do que, por exemplo, vegetais crus. Os gatos têm ceco e cólon pouco desenvolvidos, limitando a digestão de carboidratos complexos (fibra).

 

  •  Proteínas

Os gatos têm baixa capacidade para digerir proteínas de origem vegetal. Outra diferença é que os gatos não podem "armazenar" os aminoácidos que são ingeridos pelo consumo de proteínas, o que significa que, por mais rica em proteínas que seja a refeição de hoje, se a dieta de amanhã for ruim, o gatinho não poderá usar os aminoácidos excedentes da refeição anterior. Portanto, é obrigatório que os gatos comam proteína animal em quantidades suficientes em todas as refeições durante a vida.

 

  • Carboidratos:

Os gatos têm baixa tolerância a dietas ricas em carboidratos, porque seu metabolismo evoluiu para gerar energia (glicose) através da ingestão de proteínas e gorduras (de suas presas). É por isso que Garfield ficou tão gordo! Os gatos não foram feitos para comer lasanha. O excesso de carboidrato pode trazer sérios problemas digestivos e metabólicos para gatos, como obesidade e diabetes.

Nutrientes que apenas os gatos precisam.
Além das diferenças explicadas acima, os gatos têm necessidades nutricionais exclusivas, em comparação com outros animais de estimação e humanos:

  • Taurina e arginina

Os gatos devem necessariamente ingerir alguns aminoácidos porque não podem “produzi-los” através do metabolismo de proteínas, por exemplo, arginina e taurina.
Esses dois nutrientes são encontrados apenas em altos níveis de proteína animal. Esse fato confirma que, durante a evolução dos gatos, seu metabolismo não foi “forçado” a se adaptar à falta de nutrientes (como aconteceu com os cães), de modo que os felinos não podem deixar de ingerir esses dois aminoácidos de forma alguma.

  • Gorduras de origem animal

Os gatos não são capazes de sintetizar o ácido araquidônico, que é um ácido graxo essencial (um tipo de gordura é importante para o metabolismo animal, porque faz parte da composição de hormônios, membranas celulares e vários outros processos biológicos importantes) obtidos da ingestão de gordura. As dietas para gatos devem conter esse ácido graxo, o que, na prática, significa que as dietas para felinos devem ter gordura animal em sua composição. A gordura vegetal não possui (ou muito pouco) ácido araquidônico.

  • Vitamina A

Não é possível converter o beta-caroteno (presente em muitos alimentos de origem vegetal) em vitamina A. Ela é encontrada em algumas das vísceras (principalmente no fígado) das presas ingeridas pelos gatos.

Suprindo as necessidades dos felinos
Agora que você entende mais sobre as necessidades e particularidades nutricionais de seu amigo felino, você já parou para observar se está respeitando a natureza alimentar deles? Felizmente, hoje em dia existem alimentos que consideram todas essas peculiaridades, suprindo com excelência as necessidades nutricionais dos gatos. Alguns alimentos oferecem benefícios reais para a manutenção da saúde dos gatos domésticos. No amplo menu Farmina, você encontra a linha N&D Prime (sem cereais) e N&D Ancestral Grain (baixa quantidade de cereais), desenvolvidas após muito estudo do metabolismo felino.

Para saber mais sobre essa e outras questões, continue seguindo nosso blog ou entre em contato com nossa equipe de consultores para descobrir qual é o melhor alimento para o seu gatinho, clicando aqui.