Categoria: Saúde e Bem-Estar

Capa de 'Câncer de pele: proteja o seu pet'

Câncer de pele: proteja o seu pet

Problemas de pele causados pela excessiva exposição ao sol não afetam somente os seres humanos. Cães e gatos também são vítimas do câncer de pele e devem ser protegidos dos raios ultravioleta. Conheça cuidados essenciais para proteger a saúde dos pets!

É importante esclarecer que alguns animais são mais suscetíveis à doença devido às características físicas. Nos gatos brancos ou com pele despigmentada (rosadas), as áreas com pouco pelo ou que estão expostas à luz solar - como barriga, ponta das orelhas, nariz e ao redor dos olhos - podem desenvolver o câncer de pele com mais facilidade. Nos cães, as raças Boxer, Pit Bull, Bull Terrier, Dálmatas e Dogo Argentino são as mais afetadas por terem a pelagem clara.

No entanto, raças com outras características físicas também precisam de proteção.

Tipos de câncer

O câncer de pele em animais é dividido em três tipos: o carcinoma, o hemangioma e o melanoma. O carcinoma, o mais comum em cães e gatos, é um tumor epitelial maligno. O melanoma, decorrente do melanócito, célula responsável pela pigmentação da pele, também é maligno. Já o hemangioma, originário dos vasos sanguíneos, é benigno.

Sintomas

Leve imediatamente seu cão ou gato em um médico veterinário ao notar alterações na pele como vermelhidão, descamação, aparecimento de nódulos avermelhados que podem ou não sangrar, feridas, espessamento da pele e lesões em áreas não pigmentadas.

Cuidados

O uso de um protetor diário FPS 30 é recomendado na região das pálpebras, têmporas, nariz, axilas, borda da orelha e abdômen. No mercado, existem protetores solares especialmente desenvolvidos para os pets. Os produtos são à prova d’água, de rápida absorção e possuem gosto amargo para evitar que o animal o remova com a língua. O protetor solar tradicional, sem perfume e hipoalergênico, também é uma opção, mas deve ser retocado a cada três horas.

Apesar da exposição ao sol ser importante para fixar o cálcio nos ossos e destinar a vitamina D necessária ao organismo do pet, é essencial evitar os horários em que os raios solares são mais intensos, entre às 10 e 16 horas.

Tratamentos

Na maioria das vezes, o tratamento cirúrgico é o primeiro passo para eliminar o tecido prejudicado. Uma excelente opção é a criocirurgia, um procedimento menos invasivo realizado com nitrogênio líquido que congela o tumor. Em seguida, a quimioterapia é necessária para tratar totalmente a doença.

 

Como o amor e o carinho, proteção nunca é demais. Cuide do seu pet!

Happy Pet. Happy You.