Categoria: Saúde e Bem-Estar

Capa de 'Alimentos funcionais para controle do peso em cães'

Alimentos funcionais para controle do peso em cães

Hoje podemos ver entre a maioria dos proprietários de Pets uma sincera preocupação em proporcionar bem-estar aos seus animais, e também em melhorar e prolongar a sua qualidade de vida. O cão e o gato cada vez mais são considerados como parte da família, e já está comprovado pela ciência que ter um animal é uma relação de benefícios mútuos.

Essa importância da relação dos proprietários com seus animais para o bem-estar humano tem reforçado, não surpreendentemente, a atenção que tem sido dada sobre estes animais de companhia. E isso se reflete na preocupação com a qualidade da alimentação que oferecemos aos nossos amigos.

A indústria de alimentos para cães e gatos, em particular, tem respondido aos desejos dos proprietários por oferecerem um amplo grau de produtos que não somente suprem as necessidades nutricionais, mas também são designadas para atender um estilo e/ou um estágio da vida do animal, bem como aperfeiçoar as condições associadas com doenças crônicas. Dentro desse contexto, surge então a utilização dos chamados alimentos funcionais.
 

O que são alimentos funcionais

Os alimentos funcionais são aqueles que ao serem consumidos nas dietas, além das suas funções nutricionais, produzem alguns efeitos metabólicos e fisiológicos no organismo. Em seres humanos seus efeitos vêm sendo estudados, principalmente nas patologias, como o câncer, diabetes, hipertensão, mal de Alzheimer, doenças ósseas, cardiovasculares, inflamatórias e intestinais.

Já para os Pets, muitos nutrientes anteriormente não-essenciais agora estão sendo vistos por terem um impacto significativo sobre a saúde e bem-estar destes animais. Estudos têm demonstrado efeitos benéficos destes alimentos sobre áreas como a condição de saúde de pele/pelo, saúde dental, saúde intestinal, envelhecimento, saúde corporal e imunológica.

Um bom exemplo da utilização de alimentos funcionais é a adição de vitaminas com ação antioxidante em doses maiores dos que as usuais, como tendo a função de prevenir o envelhecimento celular. Diversos estudos (Rocha, 2008) demonstram que o envelhecimento, a imunidade, o estado de alerta mental e algumas doenças são uma consequência de efeitos acumulativos e prejudiciais dos chamados radicais livres. A maioria dos deles é produzida como parte dos processos metabólicos normais do organismo, mas em certas condições, tanto os radicais livres produzidos pelo organismo animal como os que são por substâncias ingeridas aumentam a ocorrência destas doenças. O animal possui um sistema elaborado e complexo de defesa antioxidante para tratar de tais ataques violentos destes radicais livres. Entretanto, evidências estão comprovando que existem benefícios quando adicionamos antioxidantes em dietas para dar suporte ao próprio sistema de produção de defesas do organismo, e sabemos que a adição de substâncias antioxidantes produz um efeito sinérgico no combate aos radicais livres produzidos no organismo. A seguir iremos falar de dois alimentos que recentemente têm sido utilizados com excelentes resultados nas rações comerciais para cães e gatos.
 

A Quinoa

A Quinoa (Chenopodium quinoa) é um arbusto que não ultrapassa os 2 m de altura. O que consumimos desta planta são seus frutos, que por serem o material que normalmente é colhido, são frequentemente denominados “sementes”. Encontrada originalmente na América do Sul, tem sido cultivada há milênios pelo povo Inca e só recentemente tem ganhado mais espaço nas dietas ocidentais.

A Quinoa vem sendo há anos introduzida na alimentação animal por ter um equilíbrio nutricional considerado ótimo e por ser uma fonte rica em ácidos graxos essenciais, sendo os mais importantes o ácido linoleico (ômega 6) e o linolênico (ômega 3). Além disso, sua semente é isenta de glúten, podendo ser utilizada na alimentação de animais alérgicos. Ela também é rica em aminoácidos essenciais, que não são muito comuns nos outros vegetais, como é o caso dos aminoácidos lisina e metionina.

A semente de Quinoa é rica em uma série de vitaminais das quais se destacam: a vitamina B2 (riboflavina), vitamina C e vitamina E. Possui, ainda, um balanço dos minerais essenciais na alimentação, estando presentes na sua composição o ferro, o cálcio, o fósforo e o potássio. O mineral ferro encontra-se presente em boa quantidade superando a quantidade existente em outras fontes como o trigo, sendo que está presente numa forma com alta absorção e alta eficiência biológica. Esse teor de ferro com alto valor biológico é uma das características pelas quais a Quinoa é classificada como alimento funcional.

Nas rações dos Pets ela geralmente é adicionada visando o conteúdo proteico de alto valor biológico. Dona de um perfil raro no mundo vegetal, a Quinoa possui 13% de proteínas de alto valor biológico com todos os aminoácidos essenciais em proporções equilibradas. Além disso, este alimento comprovadamente possui diversos efeitos funcionais. Ela auxilia na digestão, absorção de nutrientes e na saúde intestinal como um todo, sendo que estudos comprovam a alta digestibilidade deste nutriente para os cães (Verenice, 2014). A Quinoa ainda possui grande concentração de antioxidantes naturais, um baixo índice glicêmico e é útil na prevenção de problemas cardiovasculares.
 

O brócolis

Em humanos, o consumo de vegetais crucíferos (que incluem também as couves e os repolhos), particularmente o brócolis tem sido associado com a redução do risco de câncer de mama em mulheres na pré-menopausa. Aparentemente os efeitos anticarcinogênicos do brócolis são devidos à sua capacidade de ativar as enzimas do fígado que atuam na desintoxicação do organismo.

Além dos efeitos anticarcinogênicos, o brócolis é nutricionalmente importante devido aos elevados teores de vitamina C, minerais e fibras, encontrados nas inflorescências e folhas dessa hortaliça. O alto teor de vitamina C proporciona ação antioxidante e as fibras auxiliam no processo de digestão e ajudam a controlar a glicemia dos animais.
 

Ingredientes nobres para alimentação de cães

Todo mundo que tem um cão de estimação procura oferecer a melhor alimentação possível a ele. E nessa busca por uma nutrição de qualidade, muitas pessoas se perguntam qual seriam as melhores opções na hora de escolher o alimento. Para responder a essa questão devemos nos preocupar com os ingredientes que compõem a alimentação completa do cão. Basicamente devemos priorizar os alimentos de origem animal, proporcionar proteínas de alto valor biológico e nas proporções adequadas para a fase de vida do animal, optarmos por fontes de carboidratos especiais para carnívoros e não esquecer de incluir as fibras na proporção adequada. Para saber mais detalhes sobre cada um destes ingredientes, veja esse texto que já publicamos em nosso blog.
 

Referências

BRAGA, E.O.; MENDONÇA, L.G. Discussão do uso racional da ração humana, com enfoque para seus principais constituintes: linhaça e Quinoa. Perspectivas da Ciência e Tecnologia, v.2 , n.1 /2, 2010.

ROCHA, M. A. Biotecnologia na nutrição de cães e gatos. Revista Brasileira de Zootecnia, v.37, suplemento especial p.42-48, 2008

VIDAL, A.M.; DIAS, D.O.; MARTINS, E.S.M.; OLIVEIRA, R.S.; NASCIMENTO, R.M.S. CORREIA, M.G.S. A ingestão de alimentos funcionais e sua contribuição para a diminuição da incidência de doenças. Cadernos de Graduação - Ciências Biológicas e da Saúde, v. 1, n°15, p. 43-52, 2012.

VERENICE, D.M.A.; GRIJALVA OLMEDO, J.E. evaluación de la digestibilidad aparente de dietas con quinua en sustitución de soya en caninos. Trabajo de Grado presentado como requisito parcial para optar por el título de Médico Veterinario Zootecnista. Carrera de Medicina Veterinaria y Zootecnia. Quito. UCE. 53 p, 2014. Disponível em http://www.dspace.uce.edu.ec/handle/25000/6636

WILKINSON, M. J.; MOONNEY, C. T. Obesity in the dog. A monograph. University of Glasgow, Department of Veterinary Medicine. Walthan. 19 p., 1990.