Categoria: Saúde e Bem-Estar

Capa de 'Alimentos funcionais e sua história - a quinoa e a linhaça'

Alimentos funcionais e sua história - a quinoa e a linhaça

Diversos alimentos têm sido estudados mais a fundo ultimamente a fim de entender melhor suas propriedades nutricionais. São geralmente alimentos consumidos há séculos pelo homem (e às vezes até pelos animais), mas que não têm tanto espaço nas refeições modernas. Dentro desse universo, foram nomeados de “funcionais” os alimentos que apresentam propriedades benéficas além das nutricionais básicas, exercendo um impacto positivo na saúde. No artigo a seguir vamos falar sobre dois desses casos de alimentos funcionais: a quinoa e a linhaça.
 

A história da quinoa        

A quinoa é uma planta originária da região dos Andes, na América do Sul (Colômbia, Peru, Equador, Bolívia e Chile), e fez parte da alimentação básica da região desde os Incas e demais povos há mais de 5 mil anos, de acordo com registros históricos. Atualmente, é cultivada em várias partes do mundo, incluindo o Brasil.

O melhor rendimento da planta se apresenta sob clima frio com dias curtos de sol, típico das regiões andinas. Entretanto, o cultivo tem sido muito estudado, já que a escassez de alimentos em países pobres pode ser reduzida com a presença da quinoa. A plantação de Quinoa resiste a diferentes climas a altitudes, mantendo seu alto valor nutritivo.
 

Propriedades nutricionais e funcionais da quinoa

A quinoa é considerada um pseudo-cereal, pois contém amido, como os cereais, porém não contém glúten. Mas o diferencial desse vegetal é o seu perfil proteico: além de conter altos níveis de proteína total, seu perfil aminoácido é considerado excelente, equivalente a alimentos de origem animal como o leite, por exemplo. Em comparação com cereais comumente consumidos no Brasil, como o milho, o trigo e o arroz, a quinoa possui até 50% a mais de aminoácidos. O aminoácido lisina está presente em quantidades 5 vezes maiores na quinoa em comparação ao milho. Além disso, a quinoa possui teores superiores de lipídeos e fibras.

Entre as vitaminas presentes, destacam-se: B2 (riboflavina), vitamina C e vitamina E. Possui ainda um balanço dos minerais essenciais na alimentação, estando presentes em sua composição o ferro, o cálcio, o fósforo e o potássio. O mineral ferro encontra-se em boa quantidade superando a existente em outras fontes como o trigo, sendo que está presente numa forma com alta absorção e alta eficiência biológica.

A quinoa é rica em ácidos graxos essenciais como linoleico e α-linolênico (ômegas 3 e 6), apresentando alta concentração de antioxidantes como o tocoferol, os polifenois, fitoesterois e flavonoides, o que caracteriza seu efeito funcional. Ela auxilia na digestão, absorção de nutrientes e na saúde intestinal como um todo, sendo que estudos comprovam a alta digestibilidade deste nutriente para os cães.
 

A história da linhaça

A linhaça chamada também de linho, é uma planta herbácea utilizada na indústria têxtil e alimentícia. Para fins culinários e nutricionais, apenas a semente de linhaça é utilizada, na forma dos grãos, farinha ou óleo extraído da mesma. A linhaça tem sua origem provavelmente na Europa e Ásia, e tem sido cultivada há pelo menos 4000 anos. No Brasil, a linhaça é cultivada principalmente no estado do Rio Grande do Sul. Atualmente, o consumo vem crescendo rapidamente devido ao conhecimento das suas propriedades nutricionais e funcionais.
 

Propriedades nutricionais e funcionais da linhaça       

A linhaça é reconhecidamente uma das maiores fontes ácido graxo essencial e ômega 3 no reino vegetal. A linhaça apresenta teores altos de potássio, muito maiores que o da banana, por exemplo. A vitamina E (que possui efeito antioxidante) está presente também, além de outras vitaminas como A, B, D e K e fibras solúveis e insolúveis, que auxiliam no bom funcionamento do intestino.

A linhaça é considerada um alimento funcional devido a grande variedade de antioxidantes encontrados nela. Entre eles temos a já citada vitamina E (tocoferol) e o ômega 3, e os compostos fenólicos, como os flavonoides. Os flavonoides são potentes compostos antioxidantes encontrados principalmente em frutas e hortaliças, como a uva, chá-verde, blueberry, brócolis, romã, maçã e morango.           

É importante destacar que as propriedades funcionais da quinoa e da linhaça ainda estão sendo elucidadas por diversas pesquisas (algumas citadas nas referências deste artigo), e não foram confirmados efeitos curativos para doenças. Apesar disso, os estudos são muito promissores e têm demonstrado qualidades incríveis desses vegetais na manutenção da saúde de seres-humanos e animais.

A Farmina utiliza ingredientes naturais na formulação dos alimentos completos para cães e gatos da linha N&D, sem a adição de corantes e conservantes artificiais e sem grãos transgênicos. Os produtos contam também com essências botânicas e vegetais com propriedades benéficas, como a quinoa, alfafa, romã, aloe vera, linhaça, abóbora, blueberry, brócolis entre outros. Essas essências reproduzem a tendência dos animais de selecionar de forma instintiva os alimentos que favorecem a manutenção do seu estado de saúde e melhoram o seu bem-estar. 

Para conhecer o produto mais adequado ao seu pet na linha N&D, acesse nosso site ou fale conosco nos comentários e redes sociais.      
 

Referências

BRADY, K. et al. Effects of processing on the nutraceutical profile of quinoa. Food Chemistry. v.100, n.3, p.1209-1216, 2007.

CUPERSMID, L. et al. Linseed: Chemical composition and biological effects. e-Scientia. v. 5, n. 2, p.33-40, 2012.

GALVÃO, E.L. et al. Avaliação do potencial antioxidante e extração subcrítica do óleo de linhaça. v. 28, n. 3, p.551-557, 2008.

JAMES, L.E.A. Chapter 1 Quinoa (Chenopodium quinoa Willd.): Composition, Chemistry, Nutritional, and Functional Properties. Advances in Food and Nutrition Research. v.58, p.1-31, 2009.

VERENICE, D.M.A.; GRIJALVA OLMEDO, J.E. evaluación de la digestibilidad aparente de dietas con quinua en sustitución de soya en caninos. Trabajo de Grado presentado como requisito parcial para optar por el título de Médico Veterinario Zootecnista. Carrera de Medicina Veterinaria y Zootecnia. Quito. UCE. 53 p, 2014. Disponível em http://www.dspace.uce.edu.ec/handle/25000/6636