Categoria: Saúde e Bem-Estar

Capa de 'Alimentos funcionais e a sua história - a ervilha e a alcachofra'

Alimentos funcionais e a sua história - a ervilha e a alcachofra

Desde o mês de outubro de 2017 temos falado sobre alimentos funcionais. Sempre na terceira semana do mês nós abordamos o tema, explicando o que é um alimento funcional, comentando um pouco sobre a história de cada um deles e falando bastante das propriedades nutricionais. Dando continuidade a esse assunto, hoje vamos falar sobre a ervilha e a alcachofra.
 

A história da ervilha      

A ervilha é um alimento de alto valor nutritivo, cultivado há séculos pelo homem. É uma leguminosa cultivada preferencialmente no clima temperado, em temperaturas amenas entre 13ºC e 18ºC. Acredita-se que seja originária do sul da Europa e Oriente Médio, onde era plantada em locais de maior altitude, aproveitando o clima frio. Atualmente, as plantações estão presentes em várias partes do mundo, e sua utilização para alimentação humana e animal vem aumentando. Os maiores produtores são a Índia, a China e os EUA. No Brasil, a produção de ervilha cresceu muito nas últimas décadas, depois da adequação do cultivo para o clima brasileiro.
 

Propriedades nutricionais e funcionais da ervilha            

Considerada como um alimento de baixa caloria, a ervilha apresenta alto valor nutritivo. Entre os macronutrientes, apresenta uma boa quantidade de proteínas se comparada a outros vegetais, é rica em fibras e contém pouca gordura. A fibra mais presente na ervilha é a do tipo solúvel, que alimenta as bactérias benéficas da flora intestinal. A ervilha é rica em minerais como ferro, cálcio, fósforo e magnésio, vitaminas do complexo B, além da vitamina C. Ao compararmos com o feijão, a ervilha oferece quantidades equivalentes de ferro, portanto é também uma importante fonte deste mineral.

Há ainda a presença dos carotenoides na ervilha. Os carotenoides são substâncias fundamentais para a saúde humana e animal, e correspondem a um grupo de nutrientes envolvidos principalmente na conversão de vitamina A pelo organismo. O carotenoide de destaque da ervilha é a luteína, responsável por um efeito protetor da retina. A luteína e os outros carotenoides são considerados antioxidantes naturais. Os antioxidantes têm um papel importante na neutralização de radicais livres, substâncias que quando presentes em grande quantidade no organismo podem aumentar as chances do desenvolvimento de doenças. A maioria desses radicais livres é produzida como parte dos processos metabólicos normais e os animais possuem um sistema elaborado e complexo de defesa para anular a ocorrência deles. Entretanto, evidências mostram que existem benefícios quando os antioxidantes são ingeridos regularmente, dando suporte ao próprio sistema de defesa e, consequentemente, prevenindo doenças.
 

A história da alcachofra

A alcachofra é uma hortaliça (onde a flor é comestível) da mesma família da alface e da chicória, e tudo indica que foi trazida ao Brasil pelos italianos. A Itália é o principal produtor desse alimento no mundo, seguido por Espanha, França e Marrocos.  Cultivada e utilizada com finalidades medicinais desde os tempos antigos por gregos, egípcios e romanos, a alcachofra tem sua origem nas terras do mediterrâneo e norte da África.
 

Propriedades nutricionais e funcionais da alcachofra   

A alcachofra possui inúmeras qualidades nutricionais. É um vegetal de baixa caloria, rico em fibras e carboidratos provenientes em sua maioria da inulina. A inulina é uma fibra solúvel benéfica para a saúde intestinal, considerada um prebiótico, e tem sido associada a efeitos como melhora da saúde gastrointestinal e do sistema imunológico.

Suas propriedades digestivas são conhecidas há muito tempo, tornando a planta um fitoterápico utilizado no mundo todo. O extrato de alcachofra retirado das folhas possui efeitos coleréticos (aumenta a secreção de bile pelo fígado) e colagogos (facilita a transferência da bile contida na vesícula biliar para o duodeno). Essas propriedades são provenientes da substância chamada cinarina. Outros efeitos desse extrato também são citados pela medicina fitoterápica, como redução dos níveis de colesterol e estimulante e protetora do fígado.

Os componentes químicos da alcachofra têm sido estudados há muito tempo, e diversos compostos fenólicos foram encontrados na planta. Esses compostos têm propriedades antioxidantes e de modulação de enzimas do organismo. Os antioxidantes possuem um papel importante na redução da oxidação em tecidos, vegetal e animal, e quando incorporado na alimentação conservam a qualidade do alimento, além de reduzir os riscos de desenvolvimento de patologias por quem os ingere com regularidade. Dentro os compostos fenólicos da alcachofra, os flavonoides são os mais abundantes. Os flavonoides são relacionados com a prevenção de várias doenças, entre elas problemas cardiovasculares, tumores e alguns tipos de câncer.

É importante ressaltar que as propriedades funcionais da ervilha e da alcachofra estão sendo estudadas há algum tempo (fontes citadas nas referências bibliográficas), porém ainda são necessárias novas pesquisas para entender melhor quais são os efeitos terapêuticos desses vegetais.

Caso você tenha dúvidas ou sugestões a respeito deste tema, deixe um comentário abaixo ou entre em contato através das nossas redes sociais.
 

Referências

BOTSARIS, A.S.; ALVES, L.F. Cynara scolymus L. (Alcachofra). Revista Fitos, v. 3, n. 02, p.51-63, 2007.

CANNIATTI-BRAZACA, S, G. Valor nutricional de produtos de ervilha em comparação com a ervilha fresca. Ciênc. Tecnol. Aliment., 26(4): 766-771, 2006.

EMBRAPA. Cultivo da ervilha (Pisun sativum L.) Instruções Técnicas da Embrapa Hortaliças. 3 ed. 1997. 

LÓPEZ-MOLINA, D., et al. Molecular properties and prebiotic effect of inulin obtained from artichoke (Cynara scolymus L.). Phytochemistry, v.66 , p.476–1484, 2005.

MACHADO, H.; NAGEM, T. J.; PETERS, V. M.; FONSECA, C. S.; OLIVEIRA, T. T. Flavonóides e seu potencial terapêutico. Boletim do Centro de Biologia da Reprodução, v. 27, n. 1/2, p. 33-39, 2008.

MIRANDA, T.M.; VIANA, E.S.M. Avaliação da qualidade proteica da ervilha. Global Science Technology, v.10, n.01, p.69 – 77, 2017.

TROSZYNHSKA, A. Antioxidant Activity of Pea (Pisum sativum .) Seed Coat Acetone Extract. LWT - Food Science and Technology. v.35, n.2, p.158-164, 2002.

WANG, M. et al. Analysis of Antioxidative Phenolic Compounds in Artichoke (Cynara scolymus L.) Journal of Agricultural Food Chemistry., 51 (3), p. 601–608, 2003.