Categoria: Cães

Capa de 'Alimentação para cães idosos'

Alimentação para cães idosos

O número de cães idosos tem aumentado nas últimas décadas. Devido aos avanços na medicina veterinária e na nutrição, além do cuidado cada vez mais próximo que temos com nossos pets, não são raros cães que ficam mais velhos. A expectativa de vida desses animais só aumenta, tornando a fase de idoso cada vez mais longa. A boa notícia é que na maioria das vezes é possível que o cão tenha uma ótima qualidade de vida mesmo com a idade avançada. No texto a seguir vamos falar sobre isso.

Como saber se meu cão já é idoso?

Primeiramente, precisamos definir quando o animal começa a ser considerado idoso. Isso vai variar de acordo com o porte do cão e da sua expectativa de vida. Uma definição precisa de quando exatamente começa o envelhecimento não existe. Cada animal vai envelhecer num ritmo e tempo diferentes. Os cães de porte pequeno, como geralmente vivem mais, são considerados idosos a partir dos 8 anos de idade. Os de porte médio a partir dos 7 anos, e os de porte grande a partir de 6 anos de vida.

Você deve estar pensando “o meu tem 7 anos e não parece velho”, realmente, em muitos casos não percebemos nada de diferente. Da mesma maneira que uma pessoa de 50 a 60 anos pode estar saudável e aparentar ser bem mais nova, isso ocorre com nossos pets também. Essas idades que mencionamos acima são apenas como uma referência, não quer dizer que o cão já esteja com doenças ou no fim da vida. O termo que normalmente se utiliza para identificar essa fase é “sênior”.

Outra “função” dessa classificação é chamar atenção do tutor para ele saber a partir de qual momento será necessário acompanhar a saúde do animal mais de perto. Segundo um estudo publicado na revista científica da Associação Americana de Hospitais para Animais, apenas 14% dos pets idosos são submetidos a exames regulares, conforme recomendado por seus veterinários. O estudo destaca que os objetivos desse atendimento veterinário mais próximo são:

 • Promover a detecção precoce de doenças no animal aparentemente saudável

 • Prevenir ou retardar problemas de saúde sempre que possível

              

Principais problemas associados ao envelhecimento

A senilidade é um estado natural nos animais e nos humanos, sendo perfeitamente possível estar saudável desde que sejam observados cuidados de saúde, nutrição e bem-estar. Porém, sabemos que nessa idade é mais provável ocorrer problemas de saúde. Ocorrem também algumas mudanças que não podemos chamar de doenças, pois são apenas consequências esperadas do processo de envelhecimento.

Sistema imunológico

O sistema imunológico é um complexo mecanismo que protege o organismo de injúrias, sendo chamado popularmente de ‘defesas naturais’. É normal que haja uma queda lenta e gradual da eficiência desse sistema com o passar dos anos, tornando o cão um pouco mais suscetível a infecções e tumores. O sistema imunológico não serve apenas para atacar vírus e bactérias, ele também ataca células defeituosas que iniciam a formação de tumores, sejam benignos ou malignos.

Articulações

As articulações são responsáveis por unir dois ossos e gerar movimento entre eles. Essas estruturas são formadas basicamente de tendões, ligamentos, cartilagens, cápsula articular e líquido sinovial. Tudo isso para garantir um movimento perfeito, sem dificuldades como dor ou limitação de movimento. Em todos os animais, bem como nos humanos, haverá uma degeneração dessas estruturas com o passar dos anos. A agilidade dos movimentos, bem como a execução dos mesmos sofrerá mudanças perceptíveis pelo tutor. Alguns animais desenvolvem a osteoartite, uma condição que limita os movimentos e causa dor cronicamente.

Sistema digestivo

A capacidade de digestão de alimentos e absorção de nutrientes pode reduzir no cão mais velho. Cães idosos têm uma área superficial menor das vilosidades intestinais (células que absorvem os nutrientes). A microbiota intestinal, tão importante para saúde digestiva e imunológica, também sofre alterações.

Sistema renal

Os rins são responsáveis por filtrar o sangue, produzir hormônios, controlar a quantidade de fluídos corporais, excretando através da urina o que não for necessário ou for tóxico ao organismo. A capacidade de filtração é reduzida com o avançar da idade, somado ao fato que outros mecanismos relacionados à saúde renal também se alteram. Mudanças na pressão arterial e na capacidade de trabalho do coração afetam diretamente os rins.

Sistema cardíaco

O músculo cardíaco vai perdendo sua eficiência contrátil e de relaxamento, interferindo nas funções de encher e de ejetar sangue. Isso ocorre porque as células do músculo vão morrendo e sendo substituídas por tecidos de fibrose, sem função contrátil. Essas alterações são esperadas e ocorrem na maioria dos cães sem que haja um dano importante à saúde e à função do coração.

Sistema neurológico

O sistema nervoso central possui células altamente especializadas e complexas, mais suscetíveis aos danos oxidativos. Esses danos ocorrem potencialmente em todas as células do organismo, seja de animais jovens ou idosos, porém existe um sistema antioxidante de proteção. As células do sistema nervoso central (principalmente os neurônios) têm uma capacidade aumentada de oxidação e reduzida de regeneração. Com o passar dos anos, ocorre uma perda de células. Mesmo assim, felizmente a maior parte dos cães mais velhos tem pouquíssima ou nenhuma alteração de cognição e memória. Alguns, acabam evoluindo para quadros de demência senil, em diferentes graus. É importante ressaltar que essa demência ocorre mais em animais de idade bem avançada (acima de 12-13 anos).

Pele e Pelagem

A elasticidade e hidratação da pele diminuem no animal idoso. As glândulas sebáceas, que regulam a produção do sebo, reduzem sua capacidade. Os folículos pilosos também sofrem alterações, o que pode aumentar os períodos de queda de pelo.

Visão

Assim como explicamos sobre as células neurológicas, as estruturas oculares sofrem de oxidação também, afetando seu funcionamento. Quando a produção de radicais livres se sobrepõe às defesas antioxidantes, haverá o dano. O desenvolvimento da catarata, por exemplo, está envolvido com a oxidação do cristalino, a “lente” dos olhos. Degeneração da retina é outra condição comum em animais idosos.

Peso corporal

Com a redução do ritmo do metabolismo, é esperado um ganho de peso moderado. O gasto calórico diminui, e o paladar fica mais exigente. Esse paladar seletivo acaba levando muitos tutores a agradar seus cães com petiscos extremamente saborosos, e calóricos. Por outro lado, uma dieta desbalanceada associada ao envelhecimento pode levar a uma perda de massa muscular.

Como a nutrição pode ajudar o cão idoso

Os requisitos nutricionais podem mudar com a idade, dependendo da condição corporal e do status de saúde do pet. Muitas doenças comuns em cães idosos podem ser sensíveis à nutrientes, o que significa que a dieta pode desempenhar um papel importante na prevenção e até no tratamento da doença. Confira a seguir os principais pontos em que a nutrição pode ajudar o cão sênior.

Antioxidantes

Todo processo de envelhecimento está relacionado com a oxidação das células. O organismo dispõe de mecanismos muito eficientes de proteção contra isso, mas nem sempre essa defesa é suficiente. A alimentação tem um papel importantíssimo, fornecendo muitos antioxidantes naturais que vão ajudar o corpo a neutralizar os radicais livres. Numerosos estudos mostram benefícios da adição de antioxidantes na alimentação de seres-humanos, cães e gatos.

Falamos que o sistema nervoso é especialmente sensível à oxidação e possui baixa capacidade de se proteger dela e se recuperar de injúrias. Justamente por isso, o aporte de antioxidantes para essas células deve ser observado durante toda a vida através da dieta, com especial atenção na terceira idade. Entre os antioxidantes mais estudados para uso em cães com ação protetiva no sistema neuronal, podemos citar a vitamina E, L-carnitina, vitamina C, o selênio, e os ácido graxos DHA, EPA e ácido alfa lipólico.

Existem muitos outros antioxidantes, como vitamina A, Zinco, além de uma série de substâncias presentes nos vegetais, tais como: flavonoides, curcuminoides, carotenoides, polifenois, luteína, entre outros.

Condroitina e Glucosamina

Essas duas substâncias são muito utilizadas como tratamento coadjuvante das desordens articulares. Por não terem contraindicações nem efeitos colaterais, são indicadas para todos animais idosos, principalmente os que não apresentam doença articular. O principal papel da condroitina e glucosamina é evitar a progressão do desgaste das articulações.

Alta digestibilidade e Prebióticos

Cães são carnívoros e precisam de quantidades altas de proteínas. Mas isso não quer dizer que pode ser qualquer proteína. Tem que ser as mais adequadas para a espécie, ou seja, oriundas de origem animal. Esse tipo de proteína apresenta alta digestibilidade. Aliás, o adequado aporte desse nutriente contribui para a manutenção do funcionamento das defesas naturais.

Já os prebióticos atuam estimulando o crescimento de bactérias boas e reduzindo a proliferação de bactérias patogênicas no intestino. O equilíbrio da microbiota intestinal aumenta a capacidade de defesa do organismo e facilita a absorção dos nutrientes da alimentação. Os FOS (fruto-oligossacarídeos) e os MOS (mannanoligossacarideos) são os prebióticos mais indicados e utilizados na nutrição de cães.

DHA

O DHA é um dos ômegas 3 e está intimamente ligado com a saúde das células nervosas e oculares, exercendo várias funções nessas estruturas. Dietas pobres em DHA para gestantes e para filhotes pode causar problemas neurológicos e visuais.  Durante a velhice, o DHA deve continuar sendo oferecido em doses suficientes para ajudar na manutenção da saúde mental e ocular. O DHA também tem uma importante função protetora aos rins. 

Taurina e L-carnitina

A taurina é um aminoácido que traz grandes benefícios à saúde cardíaca, estando envolvido com várias funções musculares e plaquetárias. Deficiências de taurina podem causar problemas sérios de coração. Os cães são capazes de produzir sua própria taurina, porém o uso dela na dieta é benéfico também.

A L-carnitina além de ser um poderoso antioxidante, também está envolvida com a saúde cardíaca. Outro benefício, é na metabolização dos lipídios, podendo ajudar no controle do ganho de gordura corporal.         

Uma nova dieta para cães idosos

A novidade é que recentemente foi lançada uma nova dieta para cães idosos: N&D Ancestral Grain Senior. Desenvolvida dentro do sistema de nutrição para carnívoros da Farmina, a linha N&D Ancestral Grain é um alimento de baixo índice glicêmico, livre de transgênicos, com cereais nobres como fonte de carboidrato, além de ter 90% das proteínas de origem animal e apenas conservantes naturais. Confira as particularidades da dieta Senior dessa linha:

- Altas concentrações de antioxidantes: vitaminas A, C e E, minerais orgânicos (zinco e selênio), óleo de peixe rico em DHA e ingredientes naturais como cúrcuma, betacaroteno, luteína, blueberry e romã são antioxidantes naturais favorecem o sistema imunológico, preservam a capacidade cognitiva e visual.

- Adição de Condroitina e Glucosamina: são 300mg/kg de condroitina e 500mg/kg de glucosamina.

- FOS e MOS e proteínas de alta digestibilidade: prebióticos para saúde intestinal estimulando o crescimento de bactérias benéficas e reduzindo a multiplicação de bactérias maléficas. Utilização de proteínas de alta digestibilidade na composição, como a carne de frango, ovos e peixe e fibras funcionais (fibra de ervilha e polpa de beterraba).

- Menos fósforo e mais ômega 3: a ingestão excessiva de fósforo é prejudicial aos rins. O controle da quantidade de fósforo e suplementação de ômega 3 favorecem a saúde renal.

- Menos gordura e mais fibras: N&D Ancestral Grain Senior contém menos gorduras (menos calorias) e mais fibras (satisfaz mais rápido) para favorecer a manutenção do peso ideal.

- Taurina e L-carnitina: nutrientes para ajudar na função cardíaca do cão idoso.

- Biotina e Zinco: as altas concentrações de biotina, zinco orgânico, ômega 6 e 3, além de proteínas de alto valor biológico mantém a pele e os pelos saudáveis e brilhantes.

Suporte nutricional

Se você tiver dúvidas sobre qual a melhor dieta para o seu animal de estimação, utilize o Suporte Nutricional Farmina. Seu caso será encaminhado para uma consultoria localizada em sua área para fornecer uma consulta nutricional gratuita e elaborar o plano nutricional perfeito para seu pet. Clique aqui e saiba mais

 

Referências

CABRERA, M. P.; CHIHUAILAF, R. H. Antioxidants and the Integrity of Ocular Tissues. Vet Med International, v. 2011, n. 6, 2011.

KOZLOWSKA, I.; MARC-PIENKOWSKA, J.; BEDNARCZYK, M. Beneficial aspects of inulin supplementation as a fructooligosaccharide prebiotic in monogastric animal nutrition – a review. Ann. Animal Science, v. 16, n. 2, p. 315-331, 2016.

LARSEN, J.A.; FARCAS, A. Nutrition of Aging Dogs. Vet Clinical Small Animal. V.44, n. 4, p.741-759, 2014.

LOWE, J. A.; WISEMAN, J.; COLE, D. J. Zinc source influences zinc retention in hair and hair growth in the dog. Journal Nutrition, v. 124, n. 12, p. 2575s-2576s, 1994

MILGRAN, N. W. et al. Dietary enrichment counteracts age-associated cognitive dysfunction in canines. Neurobiol Aging, v. 23, n. 5, p. 737-745, 2002.

NEIL, K. M.; CARON, J. P.; ORTH, M. W. The role of glucosamine and chondroitin sulfate in treatment for and prevention of osteoarthritis in animals. Journal Am. Vet. Med. Assoc, v. 226, n. 7, p. 1079-1088, 2005.

SANDERSON, S.L. Effects of dietary fat and L-carnitine on plasma and whole blood taurine concentrations and cardiac function in healthy dogs fed protein-restricted diets. Am. J. Vet Research, v. 62, n. 10, p. 1616-1623, 2001.