Categoria: Saúde e Bem-Estar

Capa de 'Alimentação para cães com alergia alimentar'

Alimentação para cães com alergia alimentar

Problemas de pele que causam coceira e irritação são comuns nos cães. Quem tem um cão alérgico sabe como isso pode prejudicar o bem-estar do pet, e a busca por tratamentos efetivos é constante. A boa notícia é que a dieta pode ser uma grande aliada para aliviar os sintomas de maneira saudável, principalmente nos casos de alergias alimentares. Saiba como isso é possível e entenda mais sobre a alergia alimentar, além de outras reações adversas causadas por alimentos.

O que é alergia alimentar

A alergia alimentar é uma enfermidade causada por uma reação anormal do sistema de defesa  a algum, ou alguns, constituintes dos alimentos. Conhecida por ser uma das principais causas de coceira (prurido) em cães, acredita-se que dentre as doenças dermatológicas alérgicas seja a terceira mais frequente, ficando atrás da alergia por picadas de pulgas e da dermatite atópica.

Como ocorre?

É uma resposta imunológica do organismo contra determinadas substâncias presentes naturalmente no alimento (geralmente proteínas), que são identificadas indevidamente pelo sistema imune como uma ameaça.

Após a ingestão, o alimento passa por processos digestivos no estômago e atinge o intestino onde seus nutrientes serão absorvidos pelas células intestinais, chamadas de enterócitos. As moléculas do alimento, já quebradas pela digestão, passam pelas barreiras intestinais e caem na corrente sanguínea, ficando expostas ao sistema imunológico do animal. Em seguida, esse sistema identifica substâncias do alimento equivocadamente como possíveis ameaças e começa a agir através da produção de anticorpos específicos.

Assim, todas as vezes que o animal ingerir esse alimento, o sistema de defesa irá desencadear a resposta alérgica, causando reações dermatológicas na maioria das vezes. Essa inflamação causada pela alergia alimentar é chamada de dermatite trofoalérgica.

Dentre os sintomas mais comuns, podemos destacar a coceira intensa, vermelhidão na pele, crostas, “espinhas”, descamação e ressecamento. Ainda podem aparecer infecções secundárias, causadas por fungos ou bactérias oportunistas, além de otites externas (inflamação ou infecção no ouvido). Alguns cães ainda podem apresentar sintomas digestivos, como diarreia, vômitos, cólicas, flatulências, e aumento da frequência de defecação.

Entretanto, é importante sempre distinguir a intolerância alimentar e a pseudo-alergia alimentar da alergia alimentar. Todas são reações adversas aos alimentos, que são caracterizadas pela relação causa/efeito entre a ingestão de um alimento e a resposta anormal do organismo. Como dissemos acima, a alergia é uma resposta imunológica anormal, exagerada e específica a um elemento externo que foi ingerido. A pseudo-alergia alimentar caracteriza-se por diversas reações que não possuem caráter imunológico, mas mesmo assim, provocam sintomas similares ao da alergia alimentar.

Já a intolerância alimentar também não possui o sistema imunológico envolvido e pode ser dividida em enzimática e farmacológica. A enzimática acontece por carência de algumas enzimas, a exemplo da intolerância a lactose (deficiência da lactase) e a intolerância ao glúten (doença celíaca). Já a farmacológica acontece a partir de uma reação anormal a substâncias presentes em alguns alimentos. Na maioria dos casos, os sintomas relacionados a intolerância estão relacionados com o sistema gastrointestinal.

Como é feito o diagnóstico?

Para diagnosticar a alergia alimentar, é fundamental que o médico veterinário prescreva uma dieta de eliminação para o cão. Essa dieta consiste na substituição dos alimentos que o animal costuma ingerir no seu cotidiano por uma proteína ou carboidrato inédito (que ele nunca ingeriu).

A nova dieta deve ser feita entre três a oito semanas, sem o fornecimento de qualquer outro tipo de alimento, com o objetivo de identificar o desaparecimento dos sintomas. Se não houver mais sintomas nesse período, a etapa seguinte é reintroduzir a antiga dieta para confirmação do resultado. Caso o animal volte a apresentar os sintomas característicos, ele deve ser considerado como positivo para alergia alimentar, sendo necessário estabelecer uma dieta sem o ingrediente envolvido.

Para que a dieta de eliminação seja efetiva, é necessário o uso de alimentos que possuam a menor chance possível de desencadear alergias, como é o caso de alimentos completos hipoalergênicos a base de proteínas hidrolisadas.

O que é proteína hidrolisada?

São as proteínas que conhecemos, extraídas de alguma fonte alimentar (carne, frango, peixe, etc) que passam por um processo físico/químico de hidrólise, resultando em proteínas com tamanho muito reduzido.

Em casos de reações adversas ao alimento, a utilização desse tipo de proteína é muito importante uma vez que, por estarem em pedaços muito pequenos, elas ficam indetectáveis pelo sistema imune do animal e, assim, evitam a indução do processo alérgico. Dessa forma, é possível usar esse tipo de alimento para diagnóstico e para tratamento, pois as chances de uma dieta que utiliza apenas proteínas hidrolisadas desencadear um processo alérgico são mínimas.

Pensando nessa necessidade e na importância do correto tratamento dessa doença, a Farmina desenvolveu um novo alimento, desenvolvido com a mais alta tecnologia e ciência na nutrição para cães. 

Farmina Vet Life Natural Canine UltraHypo – Um novo alimento para cães com alergia alimentar

A Vet Life Natural Canine UltraHypo é uma dieta monoproteica inédita no mercado brasileiro, composta por proteína hidrolisada de peixes marinhos com alto valor biológico e fonte de aminoácidos essenciais. Como fonte de gordura, utiliza apenas óleo de peixe, o mais rico em ácidos graxos de cadeia longa ômega 3 EPA e DHA, que modulam a resposta inflamatória do sistema imunológico.

A Vet Life Natural Canine UltraHypo conta com amido de batata e arroz como fontes de carboidrato, além de um complexo de antioxidantes que atuam na redução do estresse oxidativo, como a Vitamina E, Vitamina C, Betacaroteno e Luteína.

É um alimento natural, livre de ingredientes transgênicos, que possui apenas antioxidantes naturais. Sua formulação garante alta palatabilidade e digestibilidade, além de auxiliar no controle dos sintomas dermatológicos e gastro-intestinais causados pelas reações adversas aos alimentos ingeridos.

Indicações

A Vet Life Natural Canine UltraHypo é indicada para a primeira fase da dieta de eliminação. Seu uso exclusivo permite o alívio dos sintomas, facilitando o diagnóstico. Também é indicada para uma nova dieta (caso a alergia alimentar seja confirmada), para alergia idiopática ou pseudo-alergia, dermatite atópica, para diarreia e para determinadas patologias em que a qualidade e a digestibilidade dos recursos naturais são de fundamental importância, como a doença intestinal inflamatória (DII) e a insuficiência pancreática exócrina (IPE).

Seu cão apresenta alguns dos sintomas e comportamentos mencionados? Converse com o Médico Veterinário de confiança para acompanhamento da saúde do seu pet. E em caso de dúvidas, fale conosco em nossas redes sociais.

 

Referências

HARVEY, R.; WILLS, J. Diagnosis and management of food allergy and intolerance in dogs and cats. Australian Veterinary Journal. v. 71, n. 10, 1994.

HARVEY, R.G. Food allergy and dietarv intolerance in dogs: A report of 25 cases. Journal of Smali Animail Practice. v.34, p.175-179, 1993.

PEREIRA, A.C.S.; MOURA, S.M.; CONSTANT, P.B.L. Food allergy: system immunologic and main food involved. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, Londrina, v. 29, n. 2, p. 189-200, jul./dez. 2008.

ROUDEBUSH, P.; GUILFORD, W. G.; JACKSON, H. A. Adverse reactions to food. In: HAND, M. S. et al. (Ed.). Small animal clinical nutrition. 5th ed. Missouri: Mark Morris Institute, 2010. cap. 31, p. 609-625.