Categoria: Saúde e Bem-Estar

Capa de '7 cuidados essenciais com o seu pet no verão'

7 cuidados essenciais com o seu pet no verão

Com a chegada do verão, é preciso ficar atento com os efeitos das altas temperaturas na qualidade de vida dos pets. Por serem bastante sensíveis ao calor, é fundamental seguir algumas instruções para evitar qualquer tipo de desconforto ou outros problemas ao longo desta estação. Com o objetivo de ajudar você e seu melhor amigo a curtirem as férias sem preocupação, preparamos um artigo para explicar como os animais regulam a sua temperatura, cuidados essenciais para o verão e as doenças que costumam aparecer com mais frequência nesse período. Confira a seguir!

A sensibilidade ao calor

Quando comparado aos humanos, pode-se dizer que os animais possuem maior sensibilidade às elevadas temperaturas. Isso ocorre porque cães e gatos têm uma menor capacidade de dissipar calor do corpo, dependendo quase que exclusivamente da respiração para isso. Além da respiração, os pets também transpiram um pouco nos coxins (sola das patinhas) e no nariz, mas por serem pequenas estruturas, não são tão eficientes.

A exposição a uma elevada temperatura pode causar problemas aos pets, como no caso de uma hipertermia por intermação. Esse tipo de hipertermia acontece quando o organismo não consegue mais diminuir a temperatura corpórea, que foi aumentada devido ao calor abundante no ambiente. A hipertermia por intermação pode ser causada principalmente pelo excesso de exposição ao sol (caminhada ou corrida em um dia quente), por deixar o animal muito tempo dentro de um local abafado, como um carro ou até mesmo pelo excesso de exercícios físicos. Dessa forma, a hipertermia em cães e gatos pode ser caracterizada quando a temperatura corpórea estiver acima dos 40°C.

A partir dos 40°C é possível notar as mucosas avermelhadas, aumento da frequência respiratória, aumento da frequência cardíaca, vômitos e apatia. Em estágios mais avançados podem aparecer convulsões, tremores musculares, incoordenação motora, alterações dos níveis de consciência e até parada respiratória. Caso você observe esses sintomas nessas condições, procure com urgência um Médico Veterinário. É importante lembrar que não é recomendado jogar água gelada no animal, pois pode acontecer uma vasoconstrição, que dificultaria ainda mais a dissipação do calor. 

Para evitar esse tipo de problema, procure manter o seu animal em um ambiente bem ventilado, na sombra e com água fresca disponível. Além disso, é preciso ter atenção especial com os animais de pelagem escura (absorvem mais calor) e com cães braquicefálicos, que possuem o focinho curto (Bulldog, Pug, Shih Tzu, Boxer, Boston Terrier). Essas raças têm dificuldades respiratórias e, por isso, não conseguem dissipar o calor pela respiração de maneira eficiente como as outras.

Os 7 Cuidados essenciais na estação

A fim de evitar problemas no calor, preparamos algumas dicas de cuidados essenciais que devemos ter nesta estação.

1) Não deixe a casinha no sol. Por mais que ela faça sombra, a exposição ao sol deixa o local abafado. Posicione a casinha em um local que tenha sombra o dia todo. 

2) Aumente o número de vasilhas de água disponíveis na casa. Em altas temperaturas o animal vai consumir mais água. Além disso, a evaporação também contribui para que as vasilhas esvaziem rapidamente. Não se esqueça de deixar em um lugar com sombra para que fique sempre fresca.

3) Fique atento aos horários de passeio. Não é indicado passear das 10h às 17h. Antes de sair com o seu pet, verifique a temperatura do solo para não queimar os coxins. De preferência, procure lugares arborizados, pois são locais mais frescos e mais agradáveis para o pet.

4) Não ofereça comida nos horários mais quentes do dia. Quando a temperatura do ambiente está elevada, é comum que os animais tenham o apetite diminuído. Outra vantagem de fornecer o alimento apenas em horários mais frescos é evitar que o animal passe mal.

Já pensou em oferecer uma nutrição de alta qualidade e específica para as necessidades do seu pet? Um Plano Nutricional pode te ajudar na escolha, clique aqui e confira essa grande novidade no mercado de alimentos para animais de estimação.

5) Não é recomendado tosar na máquina animais que possuem pelagem dupla. Esse tipo de pelagem é comum em raças originárias de locais frios, como  Husky Siberiano, Akita, Bernese, Malamute do Alaska, Golden Retriever, Chow Chow e cães pastores em geral. A dupla camada de pelos funciona como um isolante térmico e por isso ajuda a proteger do calor intenso. Nesses casos é indicado fazer a tosa higiênica e aparar com tesoura utilizando um tipo de tosa chamada “trimming”.

6) Em lugares fechados, coloque ventiladores ou ligue o ar condicionado para ajudar a refrescar o ambiente. Nunca deixe o pet dentro do carro sozinho, por mais que esteja na sombra.

7) Se o seu pet se expor sempre ao sol, não se esqueça de utilizar um protetor solar para animais. Passe o protetor em áreas que podem ser queimadas mais facilmente e com menos pelos, como focinho, orelhas e ao redor dos olhos.

Viagens

A época do verão é muito escolhida para viajar, já que todos querem aproveitar as altas temperaturas no Brasil todo. Durante viagens no verão é necessário tomarmos vários cuidados com os animais de estimação, pois como falamos acima, eles são mais sensíveis às altas temperaturas do que nós.

O transporte

Essa é sempre a parte mais crítica, pois além do calor durante o trajeto, muitos animais têm medo durante o transporte, piorando a situação. Em primeiro lugar, o ideal é acostumá-lo desde cedo com a caixa de transporte, ou o cinto de segurança dos carros. Como na maioria das vezes as pessoas viajam de carro, é mais fácil treinar previamente e mostrar para o animal que aquilo não é perigoso. Leve-o para passear, percorrendo curtas distâncias e depois vá aumentando. O importante é o animal associar que o carro irá levá-lo a um lugar divertido. Caso a viagem seja de ônibus ou avião, é imprescindível a caixa de transporte, por isso é necessária uma adaptação a esse objeto também.

Já em relação ao calor, o cuidado principal é não deixar que o animal sofra durante o percurso. Em viagens durante o dia é sempre necessário manter o carro resfriado pelo ar condicionado. Caso o carro não tenha esse recurso, procure viajar de noite. Pode não parecer tanto, mas o calor concentrado dentro do veículo é muito alto para um animal com uma camada de pelos. Como informado anteriormente, em hipótese alguma deixe o pet fechado sozinho no carro, mesmo que esteja na sombra.

Tanto as curvas do percurso quanto o calor podem enjoar o animal. Portanto, não ofereça nenhum alimento por pelo menos 4 horas antes da viagem começar. Deixe sempre a mão um pote para colocar água, e leve uma garrafa cheia consigo.

Praias

As praias são um dos destinos preferidos, mas pense bem antes de levar seu melhor amigo em uma. Imagine um dia de verão, sol a pino, areia quente e muita gente. Apesar de cães amarem passear, eles vão acabar sofrendo numa praia dessas. Procure passear com ele bem cedo pela manhã ou apenas no fim da tarde. Aproveite que o horário de verão estende o dia até por volta das 20h e curta esse momento em um horário mais fresquinho. Mas atenção, muitas prefeituras proíbem o acesso de animais à praia devido aos riscos de transmissão de doenças. Como os animais amam uma areia para fazer suas necessidades, essa preocupação é válida, visto que todos pisam descalços nesses locais, e a crianças até brincam na areia.

Outro cuidado necessário é com as sessões de natação que alguns cães amam fazer no mar. Durante as brincadeiras na água, é comum que o cão engula grande quantidade de água salgada, o que pode levar a desidratação. Por ser rica em sódio, o corpo tenta eliminar o excesso desse mineral através da excreção de líquidos.  Somado ao calor, essa situação se agrava muito rapidamente. Além disso existe a correnteza que facilmente pode levar o cão para longe do raso. Por isso, avalie se realmente é uma boa ideia entrar no mar com seu animal de estimação.

Doenças mais comuns no verão

Existem doenças infecciosas que se proliferam no verão. Como o Brasil tem grande parte do seu território em área tropical, essas doenças ocorrem o ano inteiro, porém elas aumentam de frequência de dezembro a março. São geralmente as causadas por parasitas, vírus e bactérias, veja:

Pulgas e carrapatos: Esses dois ectoparasitas encontram temperatura e umidade ideal para se reproduzir durante o verão. O ciclo reprodutivo depende de altas temperaturas para que os ovos eclodam e os parasitas se desenvolvam muito rapidamente. As pulgas causam a chamada dermatite alérgica à picada de pulgas, um problema que causa muita coceira e problemas de pele. Elas também podem transmitir um verme chamado Dypilidium caninum, que se aloja no intestino. Os carrapatos causam infestações que podem levar à anemias, e também transmitem doenças como a babesiose, a erliquiose (chamada de doença do carrapato), a febre maculosa e a doença de Lyme. Todas essas podem ser transmitidas aos seres humanos através das picadas dos carrapatos também.

Mosquitos: Da mesma maneira, mosquitos preferem o verão para se reproduzir e podem transmitir doenças. A mais grave delas é a Leishmaniose, um problema de saúde pública pois também infecta seres humanos. O mosquito é o transmissor também da Dirofilariose, doença conhecida como verme do coração. Esse verme é comum em áreas litorâneas e próximas a mananciais.

Doenças de pele: A umidade excessiva e o calor ajudam também a proliferação de fungos que atacam a pele e causam as micoses. É necessário tomar cuidado com excesso de banhos, principalmente porque sempre acaba entrando um pouco de água nos ouvidos. Otites (inflamação no conduto auditivo) são mais comuns nessa época.

Doenças gastrointestinais: Nesses casos podemos citar dois problemas comuns. Um se refere às verminoses intestinais, que devido a intensa circulação de cães e gatos em áreas livres somada à temperatura, facilita o contágio de parasitas pela via oral-fecal. Outro ponto é sobre a comida, que por causa do calor e da umidade vai estragar com facilidade. Mesmo a ração, caso molhe ou fique no sol pode ter a proliferação de fungos e bactérias que causam diarreias e intoxicações. Mantenha sempre o alimento em área fresca, sombreada e longe da água, descartando as sobras.

Esperamos ter ajudado você a garantir um verão seguro, saudável e muito agradável ao seu pet. E para garantir também uma nutrição excelente, conte com a ajuda do Plano Nutricional Farmina!  Além do benefício de oferecer uma dieta específica, a Farmina indica as lojas parceiras para adquirir o alimento recomendado com um desconto especial.